Artigos, Gestão

Entrevista com Alexandre Frankel, CEO da HOUSI e Chairman da VITACON


Entrevista com Alexandre Frankel, CEO da HOUSI e Chairman da VITACON

CEO da Housi e Chairman da VITACON, Alexandre Lafer Frankel, está construindo uma verdadeira revolução no mercado imobiliário. Atento às maiores dores e mudanças no consumo, notou há 12 anos que os consumidores desejavam flexibilidade, tempo e maior qualidade de vida.

Acredita que o propósito é o core do negócio, ele perpassa toda a empresa, oferecendo aos colaboradores a autonomia necessária para uma constante evolução, que reflete e contribui para alcançar um objetivo ambicioso: erradicar o déficit habitacional do país. 

Em entrevista concedida a Revista G4 Club, Alexandre elenca elementos fundamentais utilizados para reinventar o conceito de moradia, dentre eles tecnologia e cultura organizacional.

Índice:

Quem é o Alexandre e como começou a sua história com a construção civil?

É um empreendedor apaixonado que acredita na visão de reinventar a forma como moramos e, assim, dar às pessoas mais liberdade e tempo para realizarem os seus propósitos.  Sou pai, atleta e amante do ciclismo e da mobilidade urbana. Não dirijo há mais de 10 anos. 

Antes de fundar a minha primeira empresa de tecnologia com 18 anos (fizemos o show do milhão para plataformas móveis), “trabalhei” com meu pai desde pequeno. 

Frequentava obras e plantões de vendas todos os finais de semana e férias. Peguei gosto pelos negócios imobiliários.  Sou engenheiro civil de formação. Após vender Banana Games, fundei a VITACON baseado em uma experiência pessoal que transformou a minha vida.

Mas antes de empreender no mercado da construção civil, você teve uma empresa no ramo de tecnologia. Por que iniciou na tecnologia e como essa experiência foi importante na sua jornada?

Sou apaixonado por empreendedorismo, por transformar as coisas e questionar o status quo. Quando estava na faculdade, surgiram as empresas digitais que começaram a transformar a forma como vivemos hoje. Então, fiquei completamente vidrado na ideia de construir um negócio que poderia revolucionar uma indústria – e a tecnologia é a grande aliada para atingir esse objetivo.

Muitas empresas surgem de problemas que o fundador gostaria de solucionar. Como a VITACON nasceu?

Eu ficava 5 horas por dia dentro de um carro. Isto equivale a 45 dias por ano. Uma completa loucura. Quando me casei, fui morar em um apartamento bem compacto e muito próximo ao meu trabalho. Foi aí que deu o click.

Além de ganhar 5 horas no meu dia, comecei a fazer os trajetos a pé e de bike. Me tornei uma pessoa mais saudável e conheci uma cidade que antes só via atrás do volante. Conheci pessoas novas e captei tendências. 

Na verdade, não queria construir prédios. Queria resolver o trânsito, democratizando a moradia e permitindo que as pessoas morassem próximas ao trabalho, escola… O objetivo era devolver tempo para os meus clientes. 

A VITACON já possui mais de uma década. O que mudou e como não perder a cultura e propósito da empresa com o crescimento acelerado?

Acabamos de completar 12 anos. São quase 100 prédios. O mundo e os hábitos de consumo mudaram muito. É necessário evoluir. Trouxemos a economia compartilhada para complementar o espaço privativo mais simplificado, por exemplo.

“Nosso propósito é soberano. Ele orienta tudo o que fazemos na empresa.” 

A cultura organizacional está solidificada e permeia todas as áreas e colaboradores. Foi construída com muito esforço e suor. Hoje, a VITACON é muito maior do que a pessoa e tem raízes para perpetuar.

Como nasceu a Housi? Se possível, conte-nos mais sobre sua história e quais são as diferenças entre a Housi e a VITACON, bem como elas se relacionam.

Percebi que as pessoas não querem mais comprar a moradia. Ficar endividada por 30 anos, pagar ITBI, seguro, taxa, custas cartoriais, ficar imobilizada e perder a liberdade não fazem mais parte do desejo comum. 

Percebendo isto e a dor dos nossos investidores, que compartilham desta visão, de não ter quem fizesse uma gestão prática e eficiente, decidi começar uma pequena área na VITACON para ajudar estes investidores. 

Começamos gerindo o apartamento de um investidor e alugando pelo Airbnb. Em seguida, mudamos para um apartamento de 25m².  Através do boca a boca, conquistamos mais clientes e, 6 meses depois, recebemos um aporte do mesmo investidor que apoiou a Netflix no início da jornada. 

A Housi, hoje, embandeira os prédios da VITACON, assim como mais de 120 empreendimentos em mais de 80 cidades por todo Brasil.

O que você busca quando procura colaboradores? E o que acha importante para reter talentos em uma empresa?

Busco pessoas que questionam o status quo e que têm uma fome insaciável por crescer e evoluir.

Como construir uma cultura organizacional forte? Você tem algum exemplo ou história que mostre a cultura da VITACON/Housi?

“A única forma de construir uma cultura forte é dando um exemplo. Os líderes devem ser o exemplo do que queremos que nossos colaboradores se tornem. Devem liderar pelo exemplo e superar os objetivos com ética e alinhados com nosso propósito.”

Nossos times comerciais e operacionais têm autonomia e, frequentemente, a usam para perder dinheiro se necessário, caso o objetivo seja corrigir algo na experiência do cliente. Frequentemente, nossos líderes assumem postos de recepção, atendimento ao cliente, manutenção e limpeza!

Leia também: Gestão libertária: a cultura implementada no G4 Educação, na Singu e na Easy Taxi

Como a pandemia de Covid-19 afetou as duas empresas? Quais foram as mudanças para se adaptar à situação e como elas foram recebidas pelos consumidores?

Nossas locações de curta permanência e corporativas foram a zero. Em tempo recorde, colocamos todo foco em moradia. O time foi brilhante.  A pandemia aumentou a importância da moradia e dos serviços em casa. A flexibilidade do período de locação, ou seja, os moradores escolhem quanto tempo irão alugar o imóvel, nunca foi tão bem-vista como neste momento de incertezas. 

O resultado foi uma expansão vertiginosa da Housi por todo Brasil. Hoje, são mais de 150 mil unidades habitacionais disponíveis em nossa plataforma. 

A Housi começou em São Paulo, mas já está em outras capitais brasileiras. Como aconteceu essa expansão e como vocês mantêm o controle de qualidade?

Entrevista com Alexandre Frankel, CEO da HOUSI e Chairman da VITACON
(Na imagem: Alexandre Frankel, CEO da HOUSI e Chairman da VITACON)
(Divulgação G4 Educação/HOUSI)

A Housi veio para solucionar uma equação que ficou estagnada por séculos. Ninguém questionou sobre o modelo de moradia. O modelo que criamos encantou os moradores, que, por sua vez, maximizaram os retornos dos investidores. Como consequência, as vendas dos incorporadores de todo Brasil explodiram. 

É um círculo virtuoso que se retroalimenta. Hoje, os incorporadores são nossos maiores parceiros de negócios. 

Mantemos a qualidade com tecnologia e muito controle sobre os times operacionais e parceiros. Desenvolvemos um sistema que treina e monitora todo o ecossistema, garantindo a qualidade. E quando algo sai do padrão, a plataforma Housi garante a realocação ou solução para o cliente.

Quais são as tendências para o real estate? O que você está enxergando no mercado para os próximos anos?

Definitivamente, vamos experimentar a troca da posse pelo uso. Não só no mercado imobiliário, mas em muitos outros, como o automobilístico, por exemplo. Entendo que, hoje, o imóvel é indissociável da tecnologia e dos serviços. É como se estivéssemos migrando do celular analógico para o smartphone. 

Muito em breve, será impensável um imóvel sem aplicativos que resolvam o dia a dia do morador como lavanderia automatizada, mercado autônomo, carro compartilhado, fechaduras inteligentes e conectividade de alta velocidade. 

Como tem sido o relacionamento com as inovações tecnológicas e com o ecossistema de startups?

Nossos prédios são grandes plataformas para que as startups coloquem as suas soluções em prática. Temos um computador, um smartphone e os prédios Housi. Tudo é conectado através de APIs. Funcionamos como um sistema operacional que permite a aplicação de infinitas soluções on e offline.

Leia também: Máfia da 99: como o serviço de ride-sharing fomenta novas startups

Como vocês criam um senso de comunidade entre os moradores? Tem alguma história inusitada ou marcante?

Acontece tudo muito naturalmente. Quem mora de Housi está muito mais aberto e acessível ao contato social. Nossos espaços são projetados para promover encontros espontâneos. Promovemos uma série de eventos que vão da gastronomia ao esporte, passando por palestras sobre o mercado financeiro. 

“Temos várias histórias, mas o que verdadeiramente me chama a atenção é o fato das pessoas realizarem negócios intra-prédio. Temos advogados, personal trainers, designers que têm a sua clientela no universo Housi.”

Qual o seu livro de cabeceira? Por quê?

Entrevista com Alexandre Frankel, CEO da HOUSI e Chairman da VITACON
(Na imagem: Alexandre Frankel, CEO da HOUSI e Chairman da VITACON)
(Divulgação G4 Educação/HOUSI)

Sou um leitor voraz. Vou recomendar “Sapiens”, que nos ajuda muito a entender como viemos parar aqui e “Am I being too subtle”, cuja história é sobre Sam Zell, um dos maiores investidores imobiliários de todos os tempos.  

A missão do G4 Educação é gerar 1 milhão de empregos até 2030 através dos seus alunos. Qual a missão da VITACON?

“A VITACON tem como missão reinventar a cidade. Acreditamos que seja possível propor um novo estilo de vida que melhore a vida das pessoas. Influenciamos uma geração de empreendedores que, hoje, adotam a nossa filosofia.”

Já a Housi tem um modelo exponencial e sem fronteiras. Estamos reinventando a moradia, propondo um modelo flexível que devolve liberdade e tempo. Isso permite que as pessoas realizem os seus propósitos.  Vamos erradicar o déficit habitacional do país. 

New call-to-action

Glossário do Empreendedor

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W Y X Z
Banner G4 for Business 01