Tudo sobre Gestão 4.0

Gestão libertária: a cultura implementada no G4 Educação, na Singu e na Easy Taxi

Modelo de cultura e gestão baseado no libertarianismo de Ayn Rand foi aplicado em todos os meus negócios nos últimos 20 anos.

Você já ouviu falar em libertarianismo? Essa é uma corrente filosófica que eu admiro muito, cuja espinha dorsal aparece em um dos meus livros preferidos, “A Revolta de Atlas”, de Ayn Rand. Essa foi uma das fontes utilizadas para o desenvolvimento do que eu gosto de chamar de gestão libertária.

O modelo foi utilizado por mim em todos os meus negócios nos últimos 20 anos, incluindo o G4 Educação, com seu crescimento exponencial; a Easy Taxi, já avaliada em R$ 1 bilhão; e a Singu, maior marketplace de saúde e bem-estar do Brasil.

Não tenho dúvidas de que ele foi um pilar fundamental no crescimento e desenvolvimento de todas essas iniciativas muito bem-sucedidas, e a boa notícia é que você também pode aplicar o modelo em seu negócio, independentemente de qual seja seu porte ou segmento.

O que é libertarianismo?

Antes de falar especificamente sobre a gestão libertária, vamos entender o que é o libertarianismo, já que ambos conceitos estão diretamente relacionados.

Em linhas gerais, o libertarianismo é uma corrente filosófica que rejeita todas as formas de violência e defende a nossa liberdade como o princípio mais importante de todos.

Portanto, para um libertário, o indivíduo não é um meio para um fim, mas sim um fim em si mesmo. Em outras palavras, no libertarianismo, nós somos senhores de nós mesmos.

Porém, é importante lembrar que a liberdade vem acompanhada de responsabilidade. O economista Friedrich Hayek, um dos vencedores do prêmio Nobel em 1974, disse uma vez o seguinte:

“Liberdade significa não somente que o indivíduo tenha tanto a oportunidade quanto o fardo da escolha; significa também que ele deve arcar com as consequências de suas ações. Liberdade e responsabilidade são inseparáveis.”

Pense comigo: existe jeito melhor de ativar e potencializar as capacidades individuais das pessoas do que dar a elas liberdade e responsabilidade?

O que é gestão libertária?

No mundo do empreendedorismo, gestão libertária é uma gestão descentralizada em que o líder tem como princípio a criação e o desenvolvimento de um ambiente livre e favorável para o surgimento natural de novos líderes.

Se tem algo que eu, Tallis Gomes, aprendi lidando com pessoas e culturas de 35 países diferentes durante a minha jornada de expansão na Easy Taxi é que não existe desenvolvimento sem liberdade.

Porém, isso não significa que você deve largar o seu negócio nas mãos de outras pessoas. Para entender isso, precisamos voltar um ponto muito importante para qualquer empreendedor ou gestor, que é a composição do seu time.

O lendário Steve Jobs tem uma frase que sintetiza muito bem essa ideia:

“Não faz sentido contratar pessoas inteligentes e dizer-lhes o que fazer. Contratamos pessoas inteligentes para que nos digam o que fazer.”

Uma empresa de sucesso, assim como uma sociedade bem desenvolvida, precisa de líderes que, por mais que confiem em seus times, estimulem essas pessoas a serem líderes.

O poder da influência do líder, portanto, deve ser usado para desenvolver a independência das pessoas.

Portanto, praticar uma gestão libertária nada mais é que recrutar um time qualificado e diversificado para que você não precise interferir o tempo todo no processo de decisão de cada célula (ou squad, como dizemos neste modelo).

Em companhias departamentalizadas, verticais, os vetores de força acabam apontando para direções opostas. Por outro lado, as companhias que mais crescem no mundo e atingem trilhões em valor de mercado fazem exatamente o oposto: alinham as forças para que os vetores convirjam para a mesma direção.

O problema dos departamentos é que eles criam silos, o que, por consequência, cria conflitos de interesse.

É aí que começam os conflitos internos, como a clássica briga entre os departamentos de Vendas e Marketing, quando o primeiro diz não receber leads qualificados, ao passo que o segundo afirma que a equipe comercial não consegue fechar as oportunidades que recebe.

O resultado é que a companhia fica no meio desses vetores, cada um apontando para uma direção diferente. Com isso, ela não sai do lugar.

Neste exemplo em especial, as equipes devem saber como unir Marketing e Vendas e, a partir daí, andarem juntas – afinal, o objetivo é o mesmo.

Quais são as principais características da gestão libertária?

Os pontos que mais chamam atenção no modelo de gestão libertária são os seguintes:

  • Liberdade. Sendo este o princípio mais importante dentro da gestão libertária, uma equipe composta por pessoas que se sentem (e de fato são) livres para o desempenho de suas atividades tende a proporcionar resultados muito melhores, já que a liberdade está diretamente relacionada com a responsabilidade.
  • Descentralização. Como seu intuito é fomentar um espaço para o desenvolvimento de novos líderes, a equipe já é direcionada para tal objetivo, o que descentraliza as tomadas de decisões.
  • Horizontalidade. As decisões são tomadas por todos em conjunto, não apenas pela liderança. Tal horizontalidade aumenta a eficiência da comunicação e, portanto, a qualidade dos resultados.
  • Potencialização do ownership. O famoso sentimento de dono é muito vivo na gestão libertária, pois é necessário que todos pensem dessa forma para que o modelo possa funcionar.
  • Equipe sólida e confiável. Aqui, temos mais um pré-requisito do que uma característica. O sucesso da gestão libertária passa diretamente pela montagem de uma equipe em que seu líder pode confiar de olhos fechados.
  • Máxima sinergia. Com todos os vetores direcionados para o mesmo lado, evita-se uma série de conflitos e problemas entre os colaboradores. Por isso, o resultado natural é o crescimento da empresa.
  • Cultura enraizada. Este é outro pré-requisito, pois a gestão libertária depende diretamente da plena assimilação da cultura da empresa por parte de todos os colaboradores em suas atividades cotidianas para que traga os resultados esperados.

Praticar a gestão libertária é simples?

Certamente não! Muito pelo contrário.

Por vezes, nosso ego nos empurra para a centralização integral das decisões, o que tende a nos colocar em um pedestal, como aquele líder intocável, indisponível e, no final das contas, irreconhecível.

Esse é um dos piores tipos de liderança que pode existir, já que torna impossível a implementação de uma gestão horizontal e, claro, libertária.

Não é segredo para ninguém que pessoas felizes e confiantes produzem mais e melhor. De acordo com um estudo da Universidade de Warwick, uma das principais do Reino Unido, a alegria aumentou a produtividade dos trabalhadores em 12%.

Tendo isso em mente, chegamos a outro dos principais objetivos de um líder dentro da gestão libertária: tornar-se dispensável.

Parece estranho em um primeiro momento, mas faz todo sentido. Afinal, quando seus colaboradores desempenham suas funções só quando você está por perto, este é um sinal de que a liderança fracassou completamente.

No final do dia, ser dispensável consiste em ter um time muito bem selecionado, processos estruturados e uma cultura organizacional forte e enraizada na companhia.

Assim, o maior esforço de um gestor libertário é olhar para a estratégia definida e garantir a perpetuidade do negócio, enquanto o seu time, que é extremamente qualificado, fica responsável pelo tático-operacional.

Onde aprender mais sobre gestão libertária?

Se você se interessou pelo assunto e deseja saber mais, não apenas sobre a gestão libertária, mas também sobre gestão e liderança no geral, eu recomendo duas leituras que ajudarão a abrir sua mente no sentido de confiar, delegar e extrair o melhor de cada pessoa:

Além disso, também deixo aqui um conteúdo incrível do nosso canal do YouTube. Nele, Luccas Riedo, CEO do G4 Educação e meu amigo pessoal, mostra porque o conquistador espanhol Hernán Cortés conseguiu destruir o Império Asteca de Montezuma II, mas não foi bem-sucedido contra os apaches.

Em meio a essa verdadeira lição de história, Luccas ainda mostra como uma gestão libertária, descentralizada, foi determinante para que os apaches resistissem à investida de Cortés, o que tem muito a nos ensinar no atual contexto empreendedor.

Por fim, você também pode assistir à minha coluna quinzenal em vídeo no Instagram da Exame, onde explico como funciona o modelo de gestão libertária e os principais benefícios e práticas que ele proporciona às empresas.

Gestão libertária: descentralização com liberdade e responsabilidade para o fomento de novos líderes

A mudança para um mindset de gestor libertário pode não ser simples, de fato. Porém, eu garanto que os resultados aparecerão mais cedo do que você imagina.

A gestão libertária já foi mais que validada, tanto pelo sucesso que obtive em minhas empresas pelos últimos 20 anos quanto por players como Google, Skype e Wikipédia, as quais adotam práticas libertárias em suas gestões.

Depois de entender o que é gestão libertária, para conhecer outras estratégias e ferramentas de Gestão, Vendas e Growth, conheça o Gestão 4.0 Imersão e Mentoria, do G4 Educação, e venha aprender comigo e com os meus sócios Alfredo Soares e Bruno Nardon como levar o seu negócio para o próximo nível.

CONHEÇA A IMERSÃO E MENTORIA