Artigos, Conteúdos em Destaque

Caso Luva de Pedreiro: o que a sua empresa pode aprender com isso


Luva de Pedreiro

Conhecido na internet como “o cara da Luva de Pedreiro”, Iran Santana Alves alcançou um sucesso meteórico nas redes sociais. Seus vídeos e a polêmica envolvendo o antigo empresário são um retrato daquilo que empreendedores e marcas estão tentando absorver no momento: o efeito digital e a parceria com personalidades midiáticas.

O fenômeno brasileiro nas redes sociais – que já acumulou um número considerável de seguidores (na casa dos milhões) nas principais mídias da atualidade – foi o primeiro do país a ser seguido pela conta oficial do Instagram.

Com inúmeros conteúdos em vídeo feitos em um campo de várzea da cidade de Quijingue (BA), imitando jogadas de craques do futebol como Messi, Neymar e Cristiano Ronaldo, a ascensão do jovem carismático, de apenas 20 anos, tem status de estrela global. Seu crescimento e popularidade aumentam de forma impressionante e seus conteúdos geram milhões em engajamento e visualizações.

Apesar disso, recentemente, o seu nome foi um dos mais comentados da mídia não pela sua ligação com o futebol, mas por uma série de polêmicas e questionamentos envolvendo a sua relação com Allan Jesus, ex-empresário.

Assim como seus fãs, que não entendiam por que o influenciador continuava com a conta bancária zerada após a realização de campanhas grandiosas e morando na mesma casa simples do interior da Bahia, Iran percebeu que havia algo errado nesta história.

Os bastidores de uma carreira viral

Iran Santana Alves, mais conhecido pelo seu pseudônimo Iran Ferreira ou Luva de Pedreiro, conquistou o mundo do futebol a cada nova publicação.

O apelido faz referência às luvas utilizadas pelo jovem para jogar bola. De maneira simples e espontânea, o jovem mostrou que a inovação também pode estar presente nos menores detalhes. Entre os seus bordões: “receba”, “Graças a Deus Pai”, “Obrigado, meu Deus” e “Pai, Filho e Espírito Santo”.  

@luvadepedreiro #receba #luvadepedreiro ♬ som original – Iran Ferreira (Lai)

Graças aos números exponenciais atingidos nas principais plataformas da atualidade, Iran realizou o sonho de fechar grandes contratos de publicidade e participar de grandes eventos, como a final do Campeonato Europeu de Clubes (a Champions League). Atualmente, a sua contagem de seguidores segue em:

  • TikTok: 17.9M
  • Instagram: 16.5M
  • Facebook: 2.1M
  • Youtube: 1,61M
  • Twitch: 82,8K

De meme à celebridade, Luva de Pedreiro virou garoto-propaganda da Amazon e se tornou estrela do Prime Video, serviço de streaming da companhia. Um dos primeiros famosos a imitá-lo foi Cristiano Ronaldo Jr., filho do atual atacante do Manchester United, que nas redes sociais viralizou ao dizer “receba”.

Apesar de todo o sucesso, as polêmicas na carreira se intensificaram ao receber a placa de prata do YouTube (objeto dado a quem atingir a marca de 100 mil inscritos na plataforma). Iran viu seu nome perder espaço para o nome da ASJ Consultoria Reprodução e o que era para ser motivo de comemoração se tornou uma grande polêmica. 

Mesmo o seu canal no YouTube se chamando apenas Luva de Pedreiro, a empresa de Allan Jesus, o ex-empresário, solicitou a personalização do letreiro com um nome adicional, provocando um alerta no jovem e em seu público sobre um possível contrato abusivo que o impedia de alcançar objetivos maiores.

Depois de toda especulação, o caso se judicializou e Luva de Pedreiro ganhou um novo empresário: o grande ídolo do futsal brasileiro, Falcão. Mas, afinal de contas, que lições o caso deixa para empreendedores e marcas do mundo inteiro?

Por que o marketing de influenciadores é importante?

O marketing de influenciadores possibilita o acesso a uma enorme audiência e permite que sejam alcançadas pessoas que não seriam atingidas pelos canais de publicidade tradicionais. Afinal, metade da população global usa redes sociais.

A maioria dos influenciadores nas redes sociais tem milhões de espectadores, incluindo mais de 2,5 bilhões de seguidores dos 50 influenciadores mais seguidos apenas do Instagram. 

De acordo com um levantamento realizado pela Rakuten Marketing, 80% desses usuários compraram algo com base na recomendação de quem segue. E mais: 89% dos profissionais de marketing dizem que o ROI do marketing de influenciadores é comparável ou melhor do que outros canais de marketing. Não é à toa que 17% das empresas gastam mais da metade de seu orçamento de marketing com influenciadores.

Portanto, essa estratégia é crucial na era da internet e da fadiga dos anúncios, criando mais confiança e proximidade do público com a sua marca. Entre os seus principais benefícios, podemos citar:

  • Crescimento do reconhecimento da marca
  • Enriquecimento da estratégia de conteúdo
  • Geração de leads de qualidade
  • Custo-benefício
  • Construir credibilidade e confiança
  • Parcerias de longo prazo “ganha-ganha”
  • Aumentar o SEO, o ROI e o resultado final
  • Impulsionar as decisões de compra
  • Aumentar as vendas
  • Econômico e poupa tempo
  • Potencial de compartilhamento ilimitado em plataformas sociais
  • Adequado para qualquer negócio

Como visto, o marketing de influenciadores tem o potencial de retornar mais do que custa, desde que você esteja atento, é claro, aos percalços que podem existir nesse caminho.

Pontos de atenção para evitar danos irreversíveis no seu negócio

É comum que ver empresas, cada vez mais, deixando de investir em canais de mídia convencionais para se conectarem diretamente com sua audiência por meio de influenciadores. Com tamanha concorrência disponível no mercado, a construção de uma linha de conteúdo inteligente é uma relevante estratégia de growth hacking.

A indústria de marketing de influenciadores deve crescer para, aproximadamente, US$16,4 bilhões em 2022, segundo dados divulgados pela Influencer Marketing Hub. Apesar dessa realidade, um relatório divulgado pela Atlantico, mostrou que a maioria dos influenciadores brasileiros ainda lutam para monetizar, tendo o conteúdo patrocinado como a sua principal fonte de renda.

(Na imagem: relatório Latin America Digital Transformation)
(Crédito: Atlantico)

Dito isso, essa relação precisa ser a mais clara e estruturada possível, pois, apesar de ainda ser uma prática comum em algumas regiões, o mundo dos negócios não permite mais que companhias estabeleçam negociações de maneira irresponsável.

Ao falar sobre o caso Luva de Pedreiro, Eric Messa, coordenador do curso de Publicidade e Propaganda na Faap, ressaltou que:

“Esse caso mostra o perigo de se construir uma relação informal. Quando a gente fala de marketing de influência, essa fase já passou. São poucos os influenciadores que tratam esse mundo de uma forma informal. Infelizmente, ele [Iran] correu esse risco e ficou à mercê da ética do empresário”.

Além disso, outra questão que permeia esse impasse faz menção às marcas citadas por Iran. Afinal, as incertezas e nuances nos bastidores da carreira do influenciador podem obstaculizar o seu trabalho.

Assim, em cenários como esse, empresas podem se sentir receosas em apostar cifras elevadas sem a certeza de que o investimento está indo, de fato, para as mãos do contratado.

Por fim, além dos desafios de se ter a sua imagem atrelada a de um influenciador, uma marca está sujeita ainda aos erros e às críticas baseadas em sua conduta. Isso se deve à natureza desse tipo de publicidade – as pessoas são inatamente voláteis e usar suas vidas como plataformas comerciais inevitavelmente podem gerar problemas inesperados. 

Ao permitir que sua marca seja experimentada através do filtro da vida de um influenciador – e não através de plataformas oficiais – você está autorizando que o influenciador possua parcialmente o relacionamento do consumidor com você. A impressão do público, então, é moldada por um terceiro e em como ela se encaixa em seu estilo de vida e não por meio de suas mensagens e estética cuidadosamente construídas.

Por isso, caso uma marca não esteja preparada para eventuais momentos de crise, o dano à sua reputação pode se tornar irreversível. Logo, é fundamental realizar uma análise para ponderar os prós e contras dessa transação e elaborar uma política interna para garantir um maior controle de imprevistos.

Se você entende as inúmeras oportunidades oferecidas por esse mercado, domine as alavancas de crescimento da sua empresa de forma sustentável através da melhor formação em growth do país. Conheça o curso de Growth Online do G4 Educação e acesse a metodologia utilizada pelas empresas que mais crescem no mundo, traduzida para a realidade do seu negócio.

New call-to-action

*Créditos da imagem em destaque: Henrique Arcoverde/Diário do Nordeste

Glossário do Empreendedor

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W Y X Z
Banner G4 for Business 01