Quem é Mariana Dias?

Mariana Dias é CEO e fundadora da Gupy, uma HR Tech que auxilia no recrutamento ágil e qualitativo das empresas. A Gupy tem mais de 5 anos de existência e já recebeu alguns aportes de investimento que contabilizam mais de 40 milhões de reais. 

Mariana é natural de São Paulo e é formada em administração na Universidade de São Paulo (USP).

A vontade de empreender veio antes do vestibular, seu pai que é engenheiro e advogado a tentou influenciar, mas ela sempre gostou mesmo de negócios. Desde criança é movida pelo ímpeto, sentimento e pensamento de liderança, o que a fez acreditar que o sucesso tem mais a ver com o esforço do que com o QI.

Ainda na faculdade, passou seis meses em Nova York para estudar inglês e adquirir mais experiência na área de negócios.  Lá aprendeu como desenvolver suas habilidades em se relacionar com as pessoas e como os norte americanos lidavam com os seus negócios.

Após retornar ao Brasil, entrou como estagiária na Unilever e lá permaneceu na área de marketing por um ano. Após isso, foi aberto um processo seletivo para a AMBEV e Mariana Dias foi realizá-lo focada em entrar na área de marketing também, porém lhe propuseram que tentasse a área de Gente e Gestão por conta de seu perfil e que se não desse certo, ela poderia ir para o marketing.

Acontece, que foi na AMBEV que ela se apaixonou pela área de Relações Humanas e começou a entender que havia uma grande dor das empresas e candidatos no momento da contratação. Percebeu de forma concreta, que essa era a área mais estratégica do RH, pois conectava todas as outras.

Mariana Dias: Fundadora e CEO da Gupy e mentora do G4

Gupy

A Gupy nasceu de uma necessidade percebida dentro da AMBEV. Mariana Dias percebeu a grande dificuldade enfrentada no momento do recrutamento dentro das empresas, principalmente porque os profissionais de RH já vão com enviesados para achar as pessoas certas.

Este não era um problema exclusivo da AMBEV, mas sim de todas as empresas. Ela enxergou então uma oportunidade externa para resolver essa dor, e começou a tirar a ideia do papel. Mari Dias sempre teve grande humildade intelectual para pedir ajuda, não a toa, percebeu que não podia levar o projeto sozinha. Chamou uma amiga, que estava há 8 anos na AMBEV e seu irmão para seguirem esse sonho junto a ela.

Mariana Dias, Bruna e Guilherme foram morar juntos com o objetivo de compartilhar todas as dores da criação da empresa e conseguirem levantar a empresa em conjunto. Durante um tempo, o projeto ficou parado, pois estavam sem um CTO, mas após oito meses Robson, o quarto fundador, chegou e colocou o site no ar. Foi nesse momento que a Gupy realmente nasceu.

A gestora acredita que para o negócio dar certo, é preciso um match cultural muito forte com os sócios, que além de sócios, sejam minimamente amigos. Os desentendimentos irão acontecer, mas será muito mais fácil reconciliar.

A premissa da Gupy continua a mesma, mesmo que o “como?” tenha mudado bastante. Antigamente, era voltada para B2C e pivotou para B2B e usam uma plataforma Saas, mas sempre manteve o mesmo valor: “se você está feliz no trabalho, então está feliz pessoalmente”.

Para Mari Dias, pessoas nos lugares certo é o mesmo que gente realizada. Hoje a Gupy é marcada por contratações justas, ágeis e encantadoras e possui dois produtos: admissão e recrutamento, além de focarem em uma inteligência artificial, a Gaia, que realiza o atendimento de forma humanizada. A Gaia automatiza um trabalho complicado dentro do recrutamento, de forma que sobre tempo para entrevista e não o gaste na triagem.

A startup é altamente escalável e continua em constante crescimento, mesmo após cinco anos, chegaram a buscar o investimento logo no começo em 2017 e este foi feito totalmente bootstrap. São grandes os nomes dos investidores na Gupy, pois realmente a empresa é muito performática.

Gente e cultura

O tema Gente e Cultura é muito importante para Mari Dias, pois é este que sustenta toda a empresa juntamente com os sócios. A importância é tanta, que as cem primeiras entrevistas foi ela que realizou, passando valor por valor da empresa. O processo de recrutamento está intrínseco à história da cultura da empresa.

A performance e cultura tem que estar ligadas e serem lembradas todos os dias, sendo feitas sempre como base e exemplo para outros. Em 2020, Mari Dias aplicou uma pesquisa de satisfação interna e foi impressionante o resultado, pois 98% dos funcionários declararam estar satisfeitos com a empresa.

Outra coisa que é muito prezada pela gestora, é a diversidade e isso vai para além das questões de gênero. É muito importante saber de onde as pessoas vem logo na entrevista e traçar estratégias para que a diversidade seja alcançada. Uma curiosidade é que na Gupy, mais de 50% do time é feminino. 

Para Mariana Dias, as mulheres são mais sinceras intelectualmente falando, ou seja, são mais humildes na entrevista do que os homens. Ao mesmo tempo, há um problema de autoestima que lhes faz sentir menores e não merecedoras dos cargos que ocupam. A cultura é importante nesse ponto, para estimular a melhor parte dos colaboradores.