Tudo sobre Finanças

Valuation: o que é e como calcular o da sua empresa?

O termo valuation é frequentemente discutido e utilizado no setor de finanças corporativas, especialmente porque é um aspecto importante de gestão financeira, mas também é muito comum escutar esse termo quando algum empresário se depara com o seguinte questionamento:

Quanto realmente vale o meu negócio?

Dessa forma, na maioria dos casos, o cálculo da valuation é realizado quando uma empresa pretende:

  • Vender todas ou uma parte de suas operações;
  • Fundir-se ou;
  • Adquirir outra empresa.

Além disso, calcular a valuation de um negócio é importante para relatórios fiscais. Esse cálculo é realizado por meio de medidas objetivas e avaliação de todos os aspectos do negócio, usando um modelo ou um método quantitativo.

As ferramentas e métodos usados para avaliação podem variar entre avaliadores, empresas e setores, de modo que as abordagens mais comuns incluam uma revisão das demonstrações financeiras, modelos de fluxo de caixa descontado e comparações de empresas semelhantes.

“Gestores e investidores devem entender que os números contábeis são o começo e não o fim de uma valuation de negócios”

Warren Buffet
Investidor e filantropo americano e principal acionista, presidente do conselho e diretor executivo da Berkshire Hathaway
(Crédito: InfoMoney / Steve Pope / Getty Images)

O que é valuation?

O termo valuation pode ser traduzido do inglês para “Avaliação de Empresas” ou “Arbitragem de Valor”.

Valuation pode ser definido como um processo para avaliação de um ativo real (imóvel ou financeiro) como uma ação ou valor de dívida. Quando se realiza o cálculo do valuation, parte-se da premissa de que todo ativo possui algum valor em razão dos lucros futuros que poderá proporcionar ao investidor.

Em outras palavras, quando é realizado um investimento em um ativo, o principal objetivo é receber algum valor no futuro em forma de troca e que seja, preferencialmente, maior ao valor que foi investido inicialmente. Dessa forma, o valuation relaciona o valor do ativo ao aumento dos lucros e fluxos de caixa esperados pelo investimento realizado.

É importante ressaltar que o processo de cálculo do valuation não é uma ciência exata ou uma arte onde é possível manipular os números para alcançar determinado valor almejado, mas é, essencialmente, uma percepção de mercado.

O responsável por trabalhar com esses cálculos se depara com muitas incertezas e estimativas e, por isso, quanto mais claras e explícitas forem as premissas, mais objetividade se tem sobre o resultado.

Qual importância de calcular o valuation?

Para descrever sobre a importância do valuation é importante falar sobre as definições de valor, custo e preço.

  • Valor: valor econômico que uma pessoa atribui a um produto ou serviço com base no benefício ou utilidade que obtém desse. O valor pode ser considerado como algo subjetivo.
  • Custo: valor monetário que é necessário para um processo de fabricação ou aquisição de produtos e serviços.
  • Preço: valor total recebido pelo vendedor por um produto ou serviço

Portanto, é possível inferir que o custo e o preço podem representar quantias superiores ou inferiores ao valor de um mesmo produto ou serviço, que, nesse caso, é subjetivo e determinado pelo valor percebido pelas pessoas.

Dessa maneira, o valuation consegue determinar, de forma mais justa, o valor de um ativo, o que é essencial para uma boa negociação. Além disso, saber o valor real e justo do seu negócio é importante para aprofundar o conhecimento sobre a empresa, explorar os pontos fracos que podem fazê-la valer menos e aplicar melhorias para diminuir essas debilidades com o tempo.

A partir desse valor mais justo calculado pelo valuation, as atividades que mais utilizam e aplicam esse cálculo são as relacionadas à:

  • Gestão de carteira de ativos;
  • Aquisição de novas empresas;
  • Finanças corporativas;
  • Relatórios fiscais para fins legais e tributários.

Como calcular o valuation de uma empresa?

Estimar o valor justo de uma empresa pode se tornar subjetivo, por isso existem métodos para o cálculo de valuation que podem ser usados para auxiliar nessa estimativa, porém os mais utilizados são:

  1. Pela Renda: Método de fluxo de caixa descontado (DFC)
  2. Pelo Mercado: Método de cotação de mercado
  3. Pelos Ativos: Valor de liquidação ou Valor contábil

Método de fluxo de caixa descontado (DCF)

Atualmente, o método de fluxo de caixa descontado (DCF) é o método mais amplamente utilizado, sobretudo pelo seu embasamento teórico. Este método é baseado em projeções de fluxos de caixa futuros que são ajustados para obter o valor de mercado atual da empresa, com a subtração de uma taxa que representa o risco do investimento.

Em outras palavras, o fluxo de caixa descontado (DCF) é um método de avaliação usado para estimar o valor de um investimento hoje com base nas projeções de quanto dinheiro ele irá gerar no futuro. 

Isso se aplica às decisões de investidores em empresas ou valores imobiliários, como adquirir uma empresa ou comprar ações, e para proprietários e gerentes de empresas que procuram fazer orçamentos de capital ou decisões sobre despesas operacionais.

O cálculo do DCF envolve três etapas básicas:

  1. Estimar os fluxos de caixa esperados do investimento por determinado período;
  2. Selecionar uma taxa de desconto que é geralmente baseada no risco da empresa, custo de financiamento do investimento ou no custo de oportunidade representado por investimentos alternativos;
  3. Descontar os fluxos de caixa previstos de volta aos dias atuais.

O principal ponto de atenção e cuidado na aplicação do método DCF se encontra no momento de realizar as suposições e estimativas como, por exemplo, os fluxos de caixa futuros de um investimento ou projeto, que dependem de uma variedade de fatores como: a demanda do mercado, o status da economia, tecnologia, concorrência e ameaças ou oportunidades imprevistas.

Portanto, estimar que os fluxos de caixa futuros sejam muito altos pode resultar na escolha de um investimento que pode não render no futuro, prejudicando os lucros. Em contrapartida, estimar os fluxos de caixa como muito baixos faria o investimento parecer caro, podendo resultar em oportunidades perdidas.

Cotação de mercado

A cotação de mercado é o método mais simples para o cálculo de valuation.

Mais conhecido como valor de mercado, o método é calculado ao multiplicar o número total de ações em circulação de uma empresa pelo preço de mercado atual de uma ação. Por exemplo, uma empresa com 10 milhões de ações vendidas por 100,00 reais cada uma, teria uma cotação de mercado de 1 bilhão de reais.

Usar a cotação de mercado para mostrar o tamanho de uma empresa é muito relevante desde quando o tamanho da empresa seja um determinante básico de várias características nas quais os investidores estão interessados, incluindo o risco. Além do risco, em um momento de aquisição, o valor de mercado é usado para determinar se um candidato à aquisição representa um bom investimento ou não para quem deseja adquirir.

Por ser simples e rápido de calcular, esse método informa ao investidor todas essas informações, como no exemplo à continuação:

  • Empresa A:
    • Número de ações vendidas: 20 milhões de ações
    • Preço atual de mercado: R$100 por ação
    • Valuation: número total de ações em circulação x preço de mercado atual de uma ação
      • Resultado: 20 milhões x R$100 = R$2 bilhões
  • Empresa B:
    • Número de ações vendidas: 10.000 de ações
    • Preço atual de mercado: R$1.000 por ação
    • Valuation: número total de ações em circulação x preço de mercado atual de uma ação
      • Resultado: 10.000 x R$1.000 = R$10 milhões

Dada sua simplicidade e eficácia para avaliação de risco, a cotação de mercado pode ser uma métrica útil para determinar em quais ações são mais interessantes e como diversificar seu portfólio com empresas de diferentes tamanhos.

Empresas de grande cotação normalmente têm uma cotação de mercado de 10 bilhões de dólares ou mais. Em geral, essas grandes empresas já existem há muito tempo e são players importantes em setores bem estabelecidos que trazem grandes retornos no longo prazo e possuem um aumento consistente no valor das ações e no pagamento de dividendos. 

As empresas de cotação média geralmente têm uma cotação de mercado entre 2 bilhões e 10 bilhões de dólares.  Essas empresas operam em um setor em crescimento, de modo que carregam um risco inerentemente maior do que as empresas de grande cotação uma vez que não estão tão estabelecidas, mas são atraentes por seu potencial de crescimento. 

As empresas com cotação de mercado entre 300 milhões e 2 bilhões de dólares são geralmente classificadas como empresas de pequena cotação. Essas empresas são consideradas investimentos de alto risco devido à sua idade, aos mercados que atendem e ao seu tamanho, mas costumam oferecer maiores oportunidades de crescimento do que as de grande cotação.

“Em investimentos, o que é confortável é raramente lucrativo”

Robert Arnott
Empreendedor, investidor e escritor americano e presidente da Research Affiliates, LLC, empresa que assessora em mais de US$195 milhões em ativos de investimento
(Crédito: Money Times Brasil / Pimco / Divulgação)

Valor contábil

O valor contábil é obtido subtraindo o total dos ativos intangíveis (patentes, fundo de comércio) e passíveis de uma empresa de seu total de ativos, ou seja, pode ser considerado como o valor do patrimônio líquido de uma empresa.

Uma vez que o valor contábil de uma empresa representa o valor das ações, comparar o valor contábil com o valor de mercado das ações pode servir como uma técnica de avaliação eficaz ao tentar decidir se as ações estão precificadas de forma justa.

O valor contábil possui dois usos principais:

  • Serve como o valor total dos ativos da empresa que os acionistas teoricamente receberiam se a empresa fosse liquidada. Quando comparado ao valor de mercado da empresa, o valor contábil pode indicar se uma ação está sub ou superfaturada.
  • Finanças pessoais: o valor contábil de um investimento é o preço pago por um título ou dívida. Quando uma empresa vende ações, o preço de venda menos o valor contábil é o ganho ou perda de capital do investimento.

No entanto, existem limitações quanto à precisão do valor contábil em relação a como ele pode ser uma representação do valor de mercado das ações quando aplicada aos ativos que podem sofrer aumentos ou reduções em seus valores de mercado.

Tomemos, por exemplo, os imóveis de propriedade de uma empresa. Esses imóveis podem, às vezes, ganhar valor de mercado enquanto seu maquinário antigo pode perder valor no mercado devido aos avanços tecnológicos. Nesses casos, o valor contábil pelo custo histórico pode distorcer um ativo ou o valor real de uma empresa, dado seu preço justo de mercado.

Valor de Liquidação

O valor de liquidação é o caixa líquido que uma empresa receberá se seus ativos forem liquidados e seus passivos forem pagos no dia de hoje.

O valor de liquidação é o valor dos imóveis, instalações, equipamentos e estoque da empresa. Os ativos intangíveis, como como propriedade intelectual, boa vontade e reconhecimento de marca de uma empresa, são excluídos do valor de liquidação de uma empresa.

A liquidação, portanto, é a diferença entre o valor de ativos e passivos tangíveis. 

Por exemplo, suponhamos que o passivo da empresa A seja de R$550.000, o valor contábil dos ativos encontrados no balanço patrimonial seja de R$1 milhão, o valor residual seja de R$50.000 e o valor estimado da venda de todos os ativos em leilão seja de R$750.000. O valor de liquidação é calculado subtraindo as obrigações do valor do leilão:

 Valor de Liquidação:R$750.000 – R$550.000= R$200.000

Livros sobre Valuation

Valuation: como avaliar empresas e escolher as melhores ações

Autor: Aswath Damodaran

Título Original: The Little Book of Valuation: How to Value a Company, Pick a Stock and Profit

Data da Primeira Publicação: 2011

Link para comprar na Amazon aqui.

Em “Valuation”, Demodaran destila os fundamentos de valuation, sem encobrir ou ignorar conceitos-chave, e desenvolve modelos que você pode entender e usar facilmente. Demodaran cobre diversas abordagens de valuation, desde fluxo de caixa intrínseco ou descontado a elementos de avaliação de opções reais.

O livro é um guia acessível e intuitivo para stock valuation onde Demodaran explica suas técnicas em uma linguagem que qualquer investidor consegue entender, possibilitando assim que você possa tomar melhores decisões quando avaliar e escolher ações em base a diversos reportes.

Valuation: Measuring and Managing the Value of Companies – 7th Edition

Autor: Tim Koller, Marc Goedhart & David Wessels

Data da Primeira Publicação: 1990

Link para comprar na Amazon aqui.

O livro “Valuation” da McKinsey and Company é um best-seller #1 quando o assunto é valuation corporativo. Agora, em sua sétima edição totalmente atualizada, o livro entrega um conhecimento profundo sobre valuation e ajudar a que suas empresas criem, gerenciem e maximizem valor econômico a seus shareholders.

Além disso, a sétima edição de “Valuation” também entrega novos insights sobre tópicos como digitalização (digital), ESG (governança ambiental, social e corporativa), investimentos a longo-prazo, além de novos casos de estudo.

Financial Modeling and Valuation: A Practical Guide to Investment Banking and Private Equity

Autor: Paul Pignataro

Data da Primeira Publicação: 1990

Link para comprar na Amazon aqui.

Escrito pelo fundador e CEO da prestigiosa New York School of Finance, “Financial Modeling and Valuation: A Practical Guide to Investment Banking and Private Equity” este livro ensina as ferramentas fundamentais para avaliar, com precisão, a solidez de um investimento em ações.

Escrito em torno do caso completo do Walmart, o livro mostrar como realizar uma análise aprofundada da situação financeira da empresa, orientando-o em todas as etapas para o desenvolvimento de um modelo financeiro sofisticado feito por analistas profissionais de Wall Street. Através desse livro, você irá construir um modelo financeiro completo, além de um passo-a-passo de valuation.

Conclusão

Ter em mente o valuation da sua empresa permitirá responder o questionamento inicial sobre “quanto realmente vale o seu negócio” com mais embasamento.

Dessa forma, será extremamente útil em situações como a gestão de carteira de ativos, negociações de compra e venda, finanças corporativas, relatórios fiscais e construção de estratégias e tomadas de decisões financeiras mais assertivas.

Se você quer dar um passo além e saber mais sobre finança, na prática, conheça o curso de finanças do Gestão 4.0 e tenha um controle muito maior e mais próximo de sua empresa, garantindo que ela cresça de maneira saudável e sustentável.