Tudo sobre Finanças

O que é capital de giro: entenda e saiba como melhorá-lo em 2022

O capital de giro para empresas é um de seus conceitos mais importantes, já que garante a continuidade de suas operações e, consequentemente, o sucesso daquele negócio.

Pode ser que você não saiba ao certo o que é capital de giro, mas muito provavelmente já ouviu sobre ele, em especial se é um empreendedor, empresário, gestor ou trabalha com finanças.

Se fôssemos comparar a gestão de uma empresa com a construção de uma casa, sem dúvidas, o capital de giro faria parte da estrutura que a mantém de pé. Afinal, em ambas situações, sem um alicerce, não existe sustentação.

Mesmo sendo um conceito bastante conhecido, muitas companhias ainda sofrem com ele, especialmente aquelas de menor porte, cujos processos de estruturação e consolidação nem sempre são tão bem definidos.

Dados da pesquisa “Sobrevivência de Empresas (2020)”, feita com base em dados da Receita Federal e com levantamento de campo, mostrou que entre os entrevistados que precisaram fechar seus negócios, 22% o fizeram devido à falta de capital de giro.

O tema é relevante não apenas para empresas brasileiras, mas também a nível global. Prova disso é que a PwC, uma das Big Four de auditoria e consultoria, elabora estudos que abordam especificamente este tema.

Em sua edição 2019/20, inclusive, o documento revelou que houve melhora no capital de giro em 8 de 18 setores, o que mostra uma melhoria em 44,4% das indústrias consideradas no estudo.

Independentemente de qual seja o estágio do seu negócio, seja ele incipiente ou com décadas de existência, sempre há tempo de aprender mais sobre este conceito tão importante e, além disso, como otimizar o capital de giro para ter ainda mais estabilidade financeira em seu negócio.

O que é capital de giro?

“Capital de giro é a quantidade de dinheiro que seu negócio precisa para operar de forma continuada.”

Definição de capital de giro: "Capital de giro é a quantidade de dinheiro que seu negócio precisa para operar de forma continuada"

Essa é a definição trazida por Julian Tonioli, mentor do G4 Educação e sócio da Auddas, em nosso curso de Fundamentos de Finanças.

Basicamente, o capital de giro é a soma dos recursos financeiros de que a sua empresa dispõe para que possa continuar funcionando, independentemente de qual seja seu porte ou segmento.

Porém, a definição vai ainda além disso. Julian também comenta que essa quantidade de dinheiro está na empresa, mas fica indisponível para uso enquanto o negócio opera.

Em um primeiro momento, a explicação pode parecer confusa. Porém, basta pensar no capital de giro para empresas como um valor que está disponível para manter todas as engrenagens da empresa funcionando.

Um exemplo trazido por Julian na mesma aula do curso mencionado anteriormente ajuda a entender a explicação de uma maneira ainda mais prática.

“É como se você tivesse uma quantidade de combustível que fica no seu tanque de gasolina e que você não pode utilizar. Ou seja, você tem […] seu tanque de 100 litros, mas você nunca consegue ficar com o tanque abaixo de ¼, porque […] sua bomba de combustível para de funcionar e o seu carro não anda mais.”

O mesmo acontece com o capital de giro. Este valor não pode deixar de existir, pois, caso isso aconteça, será praticamente impossível manter a roda girando.

Quais são os tipos de capital de giro?

Embora não seja uma definição tão comum, é importante conhecer os diferentes tipos de capital de giro. São eles:

  • Capital de giro bruto: resultado do total dos ativos circulantes.
  • Capital de giro líquido: diferença entre o passivo circulante e o ativo circulante.
  • Capital de giro permanente: quantidade mínima de ativo circulante necessária para garantir que a companhia esteja em condições de funcionar adequadamente. Em grande parte das vezes, os fundos para este capital de giro não derivam de fontes de curto ou de médio prazo, mas sim de longo prazo.
  • Capital de giro variável (ou sazonal): por fim, o capital de giro variável se baseia em necessidades sazonais de recursos que a companhia precisa para períodos específicos, como as compras extras que uma loja faz para suprir sua demanda no Natal, por exemplo. Como tais transações fazem variar o ativo circulante, elas passam a ser chamadas de capital de giro variável ou sazonal.

Como calcular o capital de giro?

O cálculo do capital de giro pode ser mais ou menos complexo de acordo com cada negócio, mas, de maneira geral, o conceito é bastante simples. A fórmula é a seguinte:

Fórmula de capital de giro = estoque + contas a receber – contas a pagar

Fórmula de capital de giro: estoque + contas a receber - contas a pagar

É importante ressaltar que todas essas variáveis devem ser consideradas em um dado momento. Por exemplo, se você deseja calcular o seu capital de giro no dia 15 de janeiro, é preciso analisar o estoque, o contas a receber e o contas a pagar também no dia 15 de janeiro.

Se isso não for feito, provavelmente haverá divergências no resultado.

Além disso, para que o cálculo do capital de giro traga um resultado fiel, é fundamental ter um balanço financeiro bastante preciso, contemplando principalmente o seguinte:

  • Estoque bem medido;
  • Contas a receber bem calibrado;
  • Contas a pagar também calibrado.

Mais adiante, traremos um exemplo prático do capital de giro para compreender como ele se aplica no contexto de uma empresa.

Como fazer o cálculo de dias de capital de giro?

Outro conceito bastante importante, mas que nem sempre é tão considerado quanto a fórmula de capital de giro em si, é o cálculo de dias de capital de giro, que mostra exatamente para quantos dias aquele valor é suficiente para manter a empresa funcionando.

O procedimento é bem simples:

Fórmula de dias de capital de giro = (capital de giro / faturamento) × 30 dias

A multiplicação por 30 dias, no final do cálculo, é feita pelo fato de que o resultado que o precede aparece em meses, o que traz menos assertividade na compreensão.

Exemplo de capital de giro: de que forma ele é usado em uma empresa?

Depois de entender a definição e as fórmulas necessárias para calcular o capital de giro, é chegada a hora de entender como ele impacta, na prática, no cotidiano de uma empresa.

O exemplo de capital de giro a seguir é hipotético e bem simplificado, já que não contempla nem despesas fixas e nem despesas variáveis, mas ajuda a entender de maneira mais prática como este conceito é aplicado nos negócios.

  1. Suponhamos que você acabou de abrir uma loja. Neste exemplo, ela iniciou no mês 1, quando ainda não houve faturamento.
  2. Para iniciar as atividades, então, você decide injetar R$ 2 mil de seu capital próprio no capital social da empresa. Automaticamente, este valor é destinado ao caixa da companhia.
  3. Deste valor, você decide comprar R$ 1 mil em mercadorias para poder vender no mês seguinte. Essa mercadoria foi comprada com 30 dias de prazo de pagamento.
  4. Atualmente, sua companhia possui R$ 1 mil em mercadorias no estoque, além de R$ 1 mil de obrigações para pagar ao fornecedor no mês seguinte e de R$ 3 mil de ativos (R$ 1 mil em estoque + R$ 2 mil em caixa, já que o pagamento será feito apenas no mês seguinte).
  5. Neste ponto, o giro financeiro é zero.
  6. No mês 2, a loja vendeu R$ 3 mil, com pagamentos a serem recebidos em 30 dias. Logo, a empresa tem R$ 3 mil de contas a receber.
  7. Descontados os impostos sobre o faturamento (supostamente, 8,65%, perfazendo R$ 259,50), o faturamento líquido foi de R$ 2.740,50.
  8. Considerando um imposto sobre o lucro, antes do IR, de 27%, o lucro líquido foi de R$ 1.270,57.
  9. Como a empresa deseja continuar vendendo no mês seguinte, ela comprou mais R$ 1 mil em mercadorias para vender no mês seguinte, também para pagar depois de 30 dias.
  10. Neste momento, a empresa tem R$ 1 mil em estoque, R$ 3 mil em contas a receber e R$ 1 mil de contas a pagar. Logo, o capital de giro, neste momento, é de R$ 3 mil.
  11. Dividindo o capital de giro pelo faturamento do negócio, o resultado é 1 mês de capital de giro (x 30 dias = 30 dias de capital de giro).

O que é necessidade de capital de giro?

Outro ponto importante é o conceito de necessidade de capital de giro, que consiste na variação do capital de giro de um mês para o outro.

Considerando o exemplo que vimos anteriormente, se o capital de giro da empresa continuasse em R$ 3 mil no mês 3, então a necessidade de capital de giro para aquele mês seria igual a zero.

Porém, este é um cenário muito difícil de acontecer na vida real, já que o objetivo é fazer com que a empresa cresça. Para tal, é preciso investir, o que, de acordo com o exemplo, poderia significar a compra de mais mercadorias, o que mudaria o cálculo de capital de giro.

Com isso, chegamos a uma verdade: quanto maior o crescimento de um negócio, maior a sua necessidade de capital de giro (NCG).

Frase de capital de giro, que diz: "Quanto maior o crescimento de um negócio, maior a sua necessidade de capital de giro (NCG)."

É por isso que é normal perceber que a empresa está crescendo, mas que isso não representa mais caixa sobrando. Afinal, é preciso investir capital para crescer.

Isso também ajuda a explicar porque as startups captam recursos com um investidor anjo ou por outros meios para financiar sua velocidade de crescimento, pois elas precisam desses recursos para fazer jus ao capital de giro.

Qual é a relação entre o capital de giro para empresas e o crescimento do negócio?

É fato que o crescimento é um objetivo comum entre as empresas. Porém, para que isso aconteça de maneira sustentável, é importante que tudo seja muito bem calculado, pois o que poderia representar um lucro pode, na verdade, se transformar em prejuízo.

O intuito dessa frase não é a de te trazer medo ou apreensão, mas sim de te ajudar a ter uma boa gestão financeira para que, assim, a empresa realmente consiga crescer com saúde.

Analisando suas finanças, pense no seguinte: o máximo de crescimento que a sua empresa pode sustentar sem a necessidade de capital externo é algo que queime, no máximo, o valor que ela tem em caixa no atual período.

Em outras palavras, isso significa que o crescimento tende a ocorrer de maneira gradual e progressiva para não prejudicar sua relação com o capital de giro. Mesmo que isso possa demorar mais tempo do que você tinha em mente, os riscos são menores.

Outra citação de Julian Tonioli sintetiza muito bem essa ideia:

“[…] a velocidade com a qual eu cresço me gera uma necessidade de capital que faz com que eu não consiga crescer mais rápido sem capital externo.”

Leia também: Fluxo de caixa: uma empresa em crescimento não significa uma empresa em enriquecimento

Então, como melhorar os resultados da empresa sem ter que recorrer a capital externo?

Se sua empresa deseja adotar o modelo de bootstrapping, que são aquelas empresas, em especial startups, que não recorrem a investimentos externos, há algumas formas de melhorar seus resultados já a curto prazo.

É preciso se planejar bem para colocá-las em prática, mas todas elas são atingíveis e podem fazer com que o seu negócio atinja outro patamar de faturamento, o que, por sua vez, permite à companhia financiar sua velocidade de crescimento recorrendo apenas a recursos internos.

As seguintes dicas podem te ajudar a melhorar seus resultados sem interferir negativamente no capital de giro:

  • Vender mais com menos estoque. Ao invés de comprar todas as mercadorias do fornecedor para então vendê-las em sua empresa, é possível negociar condições diferenciadas, como é o caso da venda consignada, por exemplo, que permite a devolução dos produtos que não foram vendidos e, portanto, elimina (pelo menos para essas mercadorias) a necessidade de investir em seu estoque.
  • Receber dinheiro dos clientes mais rápido. No exemplo anterior, o prazo de recebimento dos clientes era de 30 dias. Se a sua empresa conseguir reduzir este período (como para 15 dias, por exemplo), o dinheiro entrará mais rápido, o que permite a ela investir também mais rápido.
  • Aumentar o prazo de pagamento aos fornecedores. Aqui, o resultado é quase o mesmo, mas os meios para atingi-lo são diferentes. Se a sua empresa conseguir estender o prazo de pagamento aos fornecedores (para 60 ou 90 dias, por exemplo), ela também terá mais tempo para fazer os pagamentos, o que permite usar o dinheiro do caixa mais rápido.

Lembre-se que é importante avaliar com cautela a aplicação de cada uma das dicas. Afinal, se a sua empresa perder o controle das contas a pagar ou a receber, por exemplo, os potenciais prejuízos podem ser grandes – inclusive financeiros.

Veja também: 11 indicadores financeiros que toda empresa deveria acompanhar [+ fórmulas e exemplos]

Capital de giro para empresas: um pilar para qualquer negócio

Sem dúvidas, o capital de giro é um dos principais recursos de qualquer empresa. Embora nossos exemplos tenham sido baseados em companhias que vendem produtos, aquelas que oferecem serviços também precisam de capital de giro para que consigam entregar suas soluções aos clientes.

Além disso, cabe ressaltar que os exemplos usados foram simplificados, não contemplando despesas fixas e variáveis, algo que também existe em toda empresa e precisa ser administrado com sabedoria para manter sua saúde financeira.

Depois de entender o que é capital de giro, para ter uma visão mais ampla e aprender outros conceitos importantes, conheça o curso de gestão financeira do G4 Educação e controle as finanças do seu negócio para garantir um crescimento saudável e inteligente, seja uma pequena empresa ou uma multinacional.

APRENDA A CONTROLAR SUAS FINANÇAS