Artigos, Conteúdos em Destaque

Maturidade digital das empresas brasileiras: como elas lidam com o digital?


notebook sendo aberto em um local escuro, simbolizando a introdução de mais tecnologia nas empresas brasileiras

Do desenvolvimento de produtos a relação com o consumidor, a maturidade digital, mostra-se como um elemento chave para potencializar a proposta de valor e encontrar novas oportunidades de crescimento, mantendo o negócio competitivo a médio e longo prazo. 

Os avanços tecnológicos não fizeram com que o mundo diminuísse, contudo ele parece estar cada vez “menor” e isso ocorre principalmente, pelo aumento da conectividade e do digital.

O report consumidor do futuro 2022” realizado pela WGSN, indica que o futuro será conectado e está avançando rápido. Nos próximos anos haverá cerca de 29 bilhões de dispositivos conectados, expansão do 5G  e 75% da população mundial acessando a internet – e se os consumidores estão mais digitais, as empresas também. 

Esse mundo cada vez mais digital exige que as companhias se movimentem rumo a uma maior maturidade, afinal, aquelas que ignorarem a transformação digital podem perder em média US$ 7 milhões. Embora digitalizar uma empresa esteja relacionado a uma ideia simples – usar tecnologias digitais para aprimorar o modelo de negócios, suas consequências podem ser verdadeiras alavancas de crescimento. 

Vantagens competitivas de negócios digitalmente maduros

Antes de tudo, o que significa quando nos referimos à maturidade digital das empresas? 

De acordo com um artigo da Forbes, priorizar a digitalização de um negócio (aumentando a maturidade digital), é potencializar seu valor – visualizar outras avenidas de crescimento (gerando novas receitas), e melhorar o fluxo interno, utilizando a digitalização de maneira estratégica e competitiva.

Nesse cenário, empresas que desejam aumentar sua maturidade digital devem começar a priorizar o uso e a integração de dados, tornando-se cada vez mais data-driven, afinal, dificilmente haverá conectividade sem que haja também acesso a dados.

A Internet das Coisas é um grande exemplo do potencial do uso de dados e da conexão gerada através deles.

Por exemplo, uma montadora de carros que utiliza conectividade IoT é capaz de coletar e tratar informações sobre motoristas, estradas, hábitos de viagem e até clima. Ou seja, essa montadora não está vendendo apenas um veículo.

Assim como a Tesla vende tecnologia e potência de maneira sustentável através de seus carros, usando a tecnologia, essa montadora fictícia passaria a vender praticidade, conforto, entretenimento e bem-estar.

Por isso, empresas em todo o mundo estão preocupadas em aumentar sua  maturidade digital cada vez mais depressa e de maneira holística. Afinal, não significa apenas mais vendas, e sim levar a proposta de valor a outro nível. Embora o cenário nacional esteja progredindo a passos mais lentos, já é possível acompanhar os avanços de maneira consistente. 

Maturidade digital das empresas brasileiras e porque seu negócio deve se planejar

A pesquisa TIC Empresas – 2021 realizada pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação, do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR, apresenta um panorama sobre a maturidade digital das empresas brasileiras desde 2005, e em sua última edição, entrevistou mais de 4 mil empresas, coletando dados entre agosto de 2021 e abril de 2022. 

Além de adotar padrões internacionais, ao ser realizada a mais de 15 anos, sua importância e credibilidade quanto ao cenário digital do país é confiável e comprovada. 

O diagnóstico mais recente indicou que além de estar no ambiente digital, vendendo online e voltando a atenção para a importância do omnichannel, as empresas nacionais estão acompanhando um movimento global, se aproximando de novas tecnologias como IA e IoT para melhorar seus negócios, incrementando e automatizando processos. 

Para ajudá-lo a entender melhor o panorama e o nível de maturidade digital do mercado nacional, extraímos os principais insights do estudo, a fim de orientá-lo a navegar por uma realidade que tende a ser cada vez mais digital. 

Crescimento de vendas online

A pandemia acelerou a digitalização em todo o mundo, impulsionando novos comportamentos de consumo, principalmente compras feitas online. Por isso, uma das tendências que promete não desacelerar é o avanço do e-commerce que vem crescendo de maneira consistente nos últimos anos e deve continuar expandindo.

Entre os negócios com até 49 funcionários a porcentagem de vendas online foi de 54% para 74% e entre empresas médias e grandes o número também cresceu: de 58% para 67% e 52% para 68%, respectivamente, o que reforça que independentemente do tamanho, muitos já estão se posicionando online para não perder vendas e se manter competitivo. 

De acordo com dados do Think With Google, o e-commerce crescerá cerca de 42% no país até 2025, representando quase metade do crescimento total de vendas no varejo, o equivalente a 39%, fortalecendo a importância de estar online e se digitalizar para não perder oportunidades. 

Ainda de acordo com o estudo, apps para manter o contato com os clientes e diminuir os efeitos do distanciamento social, acabaram se tornando grandes oportunidades para a venda. Aplicativos como o WhatsApp estão entre os principais canais de vendas pela internet 78%, principalmente entre as pequenas empresas, que chegam a representar 80%

Entre companhias maiores a preferência é por canais mais clássicos, como e-mail e site, com uso de 71% e 55%, respectivamente, o que nos leva a outro importante insight sobre a presença online: estar no ambiente digital é só o começo.

Um estudo da Salesforce intitulado “The State of the Connected Custumer”, apontou que 67% dos consumidores usam múltiplos canais para completar uma única transação, o que significa que uma experiência integrada é uma necessidade cada vez mais latente e que demanda empresas omnichannel. Nesse sentido, negócios que utilizam múltiplos canais em sua estratégia tendem a ser mais buscados. 

Embora muitos apontem que uma estratégia omnichannel não é nem negociável, 40% dos consumidores disseram que não comprariam de empresas se não pudessem escolher os canais de sua preferência.

Aumento dos pagamentos instantâneos digitais

Lançado em 2020, o Pix é uma forma de pagamento instantâneo digital e dada a sua facilidade, é um dos meios de pagamentos mais utilizados pelas empresas. Cerca de 82% das companhias entrevistadas responderam que o pagamento instantâneo foi o meio mais utilizado na hora de vender online, e entre os pequenos negócios, 83%

Além de receber o valor imediatamente e reduzir o pagamento de tarifas, disponibilizar essa forma ágil de pagamento pode diminuir o abandono de carrinho e aumentar as chances de conversão, oferecendo facilidade e praticidade aos clientes. 

De acordo com dados do Banco Central, este ano, os pagamentos P2B (de pessoas para empresas) representaram 18%  das transações com Pix durante o mês de março, o que fortalece a popularidade do pagamento entre os consumidores.

Apesar das vantagens para os empreendimentos, é fundamental garantir uma experiência coesa, com o menor atrito possível para os clientes. Portanto, teste a integração e garanta que esteja funcionando sem problemas. Em alguns casos, é possível até personalizar o QR Code com o nome da empresa, aumentando a personalização e as chances de ser lembrado no futuro.

Entender as oportunidades do ambiente digital é fundamental, mas é ainda mais importante utilizá-las a seu favor, sempre de maneira estratégica.

Adoção de novas tecnologias 

Um report do Fórum Econômico Mundial, apontou que 97% das empresas brasileiras estão buscando automatizar o trabalho, e a expectativa é que de maneira geral, continuem adotando tecnologias como big data, cloud computing (computação em nuvem), e e-commerce, além do crescente interesse em adotar  criptografia,  robôs humanoides e inteligência artificial em suas operações até 2025.

Nesse sentido, a pesquisa TIC fortalece essa percepção, e o interesse dos negócios brasileiros pela capacidade de inovação e automatização trazidos pela tecnologia é crescente. Mas o que isso realmente significa? 

Inteligência artificial

O uso de inteligência artificial vem crescendo em países emergentes e em diversos setores. Embora seja mais popular em operação de serviços, desenvolvimento de produtos, marketing e vendas, sua adoção é ampla, aumentando a automação, a eficiência e reduzindo os custos.

De acordo com a pesquisa nacional, em 2021, 13% das empresas adotaram algum tipo de tecnologia de IA, e em companhias maiores esse número é ainda maior, cerca de 39%, o que indica que companhias mais robustas estão acelerando sua digitalização, crucial para se manter competitivos. 

Das empresas que estão utilizando IA, seu uso está focado principalmente em:

  • Automatização de processos de fluxos de trabalho (73%)
  • Reconhecimento e processamento de imagens (32%)

O uso de IA também está crescendo em todo o mundo. De acordo com dados da Mckinsey, em 2020, 50% das empresas apontaram estar utilizando inteligência artificial em alguma função, e em 2021, esse número subiu para 56%

O relatório Worldwide Semiannual Artificial Intelligence Tracker da IDC, apontou que o mercado de IA deve chegar a US$ 432,8 bilhões em 2022, e segundo a PwC, até 2030, deve alcançar cerca de US$15 trilhões.

Sem dúvidas, empresas que desejam ganhar tempo e aumentar a eficiência devem voltar sua atenção para as soluções trazidas por essa tecnologia, levando em consideração todo o seu potencia: soluções de IA englobam processos cognitivos e com alta capacidade de aprendizado, o que significa decisões mais assertivas, escalabilidade e redução de riscos. 

Internet das Coisas (IoT)

O aumento do uso de IA não está sozinho, e as empresas brasileiras também estão olhando para outra tecnologia fundamental para os  próximos anos – a Internet das Coisas, comumente conhecida como IoT.

A pesquisa apontou que 14% das empresas adotaram algum tipo de tecnologia IoT, principalmente voltadas à segurança e gerenciamento de consumo de energia, como detectores de fumaça, travas de portas, lâmpadas inteligentes, entre outros. As empresas que mais adotaram essas soluções fazem parte do setor de informação e comunicação, mas a tendência é que cada vez mais setores percebam o diferencial competitivo que essa tecnologia pode acarretar.

A Internet das Coisas é uma expansão da internet, que tem como objetivo conectar tudo, em qualquer lugar, e não estamos falando apenas de celulares, notebooks e TVs, e sim, de postes de luz, elevadores e carros. 

A grande questão, e talvez, o maior valor da IoT, é que para fazer com que essa conexão aconteça, precisamos de dados, e estamos falando de um grande volume: até 2050 cerca de 24 bilhões de dispositivos estarão interconectados, coletando e reagindo a dados através de dispositivos habilitados, aprendendo e melhorando soluções constantemente.

De acordo com um artigo da Ericsson, o poder da conectividade proporcionada por soluções IoT, podem levar os negócios a um outro patamar de eficiência e redução de custos, principalmente por garantir previsibilidade e controle sem precedentes. 

Considerações finais: para crescer é preciso digitalizar

Para ter sucesso na economia digital, é preciso entender a importância dos dados, assim como iniciativas para sustentar transformações ocasionadas pelo seu uso, afinal, não estamos falando somente sobre dados, e sim, sobre conhecimento, que inclui extrair deles insights inteligentes sobre processos. 

“Onde há fumaça de dados, há incêndio nos negócios”.

Thomas Redman – Presidente da Data Quality Solutions

De acordo a Ericsson, empresas que priorizam a digitalização e o refinamento do uso de dados, não estão apenas se tornando mais eficientes, estão se tornando negócios de software

Isso significa que são capazes de gerar seus próprios dados,  fomentando a criação de um ecossistema de serviços mais amplo, uma tendência forte para o futuro: seu negócio não deve ofertar somente uma solução isolada. A Amazon é um dos maiores exemplos de ecossistema consistente e lucrativo. 

Lembre-se, dados são capazes de orientar a capitalização de oportunidades, embasando tomadas de decisão mais assertivas em tempo real. 

Outro fato fundamental para obter sucesso é estabelecer a confiança com os consumidores. Uma vez que essas novas tecnologias só são possíveis através do acesso aos dados dos clientes, é imprescindível determinar boas práticas.De acordo com um estudo da Mckinsey, cultivar a confiança leva ao crescimento do negócio:

grafico da mckinsey sobre relacionando empresas que estabelecem confiança digital também crescem
(Na imagem: empresas mais comprometidas a estabelecer confiança digital podem aumentar sua taxa de crescimento)
(Créditos: Mckinsey)

A pesquisa, que entrevistou mais de 1.300 lideranças e 3.000 consumidores, descobriu empresas que desenvolvem produtos e experiências que fazem uso de tecnologias digitais e dados –  e que transmitem confiabilidade (atendendo a uma expectativa do consumidor de ter uma experiência melhor mas também segura), podem crescer cerca de 10% anualmente.

Em suma, para se preparar para o futuro, as companhias precisam mudar a mentalidade sobre dados, tornando-se data-driven, e isso não significa somente colocar um dashboard repleto de gráficos e informações vazias. 

Para se tornar um negócio inteligente, é preciso um plano consistente, mudanças estruturais e boas práticas, que envolvem toda a organização. 

Informações e dados sozinhos não são capazes de reimaginar negócios, mas a relação entre eles, com análises consistentes e apoio da liderança, pode levar sua empresa do presente para o futuro, garantindo que ela não apenas sobreviva, mas se torne competitiva, crescendo de maneira sustentável.

A migração para o digital – que começou fortemente durante a pandemia – não irá regredir, e é preciso estar preparado para uma realidade que se transforma constantemente, afinal, o mundo mudou, e seu negócio também precisa evoluir e crescer.

Se você deseja aprender como aplicar as estratégias de crescimento usadas por empresas como Facebook, Google, Amazon, Uber e Apple no seu negócio, conheça a Imersão G4 Growth do G4 Educação. Seja  um negócio tradicional ou uma startup, o G4 Growth foi feito para você.

New call-to-action

Glossário do Empreendedor

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W Y X Z
Banner G4 for Business 01