Artigos, Gestão

Empresas familiares no Brasil: qual a realidade dos negócios familiares brasileiros?


Empresas familiares no Brasil: qual a realidade dos negócios familiares brasileiros?

Empresas familiares no Brasil são vias arteriais que atravessam o local e movimentam até os grandes conglomerados para transacionar e aquecer a economia do país.

Até os anos 1990, dos 300 maiores grupos privados do Brasil , 287 eram familiares – incluindo nomes como Bradesco, Itaú e Grupo Votorantim.

Em 2016, em uma outra concepção de mundo, muito mais longevo do que os anos que separaram de fato uma década da outra, a KPMG, com o apoio do Audit Committee Institute Brazil e do Board Leadership Center, entrevistou líderes de empresas familiares brasileiras e analisou a estrutura de suas organizações, para montar o estudo “Family portraits: A snapshot of Brazilian Family Companies’ past, present and future”.

No total, foram 201 empresas familiares entrevistadas, em 16 estados brasileiros, cujos 77 pontos percentuais relataram estar no mercado há mais de 20 anos, ou seja, um indicativo de perpetuidade, embora em menor escala, dos índices da década de 1990. Dessa amostragem, 88% das empresas informaram que o poder está amplamente concentrado na primeira ou segunda geração de gestores.

Saltamos mais 4 anos, para 2020, e o resultado encontrado, entre uma amostra de 279 empresas brasileiras de controle familiar, é que as boas práticas de governança estão mais presentes entre as empresas que se encontram na terceira geração

Já não estamos mais nas regras do linear; o jogo agora é exponencial. Esse cenário impõe às famílias a necessidade de discutir com antecedência as questões de governança, familiar e corporativa, para que possam trilhar o caminho da longevidade nos negócios. 

Se o estudo “Governança em Empresas Familiares: Evidências Brasileiras”, realizado pelo IBGC e pela PwC, no começo de 2020, já cantarolava sobre esse caminho, em um mundo pós-pandêmico esse se torna ainda mais um imperativo. É o último registro sólido que divulga cenário das empresas familiares brasileiras.

Empresas familiares são caminhos arteriais para a economia do Brasil, contanto que garantam uma sucessão sólida e um planejamento estratégico adaptável à abruptas crises.

Aprofundar o conhecimento sobre como essas organizações atuam é passo fundamental para fomentar o desenvolvimento econômico. Esse não é um movimento apenas de privilégio tupiniquim.

De acordo com o relatório Global Entrepreneurship Monitor (GEM) Family Entrepreneurship Report, elaborado pelo Babson College, 81% dos empreendedores ao redor do mundo são coproprietários e/ou cogerenciam seus negócios com membros da família. Vai além: 62% dos gestores de empresas estabelecidas afirmam que a maioria de seus funcionários são membros de sua família.

A pandemia representou um lembrete indispensável do potencial das empresas familiares, principalmente quanto às possibilidades e oportunidades criadas pela tecnologia. Transformação digital e agilidade andam juntas, o que parece refletir nas novas gerações assumindo o leme cada vez mais a partir de agora.

Estatísticas sobre empresas familiares no Brasil

Podemos considerar como empresas familiares aqueles negócios que possuem sua origem vinculada a uma família, em geral a partir da segunda geração. Mesmo quando há outros stakeholders envolvidos, se uma porcentagem maior da empresa é da família que originou o negócio, ainda podemos considerá-lo uma companhia familiar.

Usamos o estudo “Governança em Empresas Familiares: Evidências Brasileiras”, divulgado no começo de 2020, pelo IBGC e pela PwC, como baliza para extrair as estatísticas e insights mais recentes sobre empresas familiares no Brasil. 

279 empresas familiares, distribuídas por 21 estados, participaram da amostragem da pesquisa, contemplando as cinco regiões brasileiras. Os resultados são ricos e heterogêneos quando observadas características como porte, setor e tempo de existência. Em relação aos respondentes, a maioria é composta de acionistas, conselheiros e diretores executivos. 

“Vale ressaltar que os resultados encontrados não podem ser generalizados para todas as empresas familiares brasileiras, pois cada família empresária tem uma trajetória particular. Todavia, a amostra deste estudo é uma das maiores já pesquisadas dentro do universo de empresas familiares brasileiras, o que torna as evidências aqui apresentadas úteis para um melhor entendimento do envolvimento das famílias nos seus negócios e as práticas de governança familiar e corporativa adotadas no mercado brasileiro”, faz questão de ressaltar a introdução do estudo “Governança em Empresas Familiares: Evidências Brasileiras”.

Destaques gerais sobre empresas familiares no Brasil

O relatório divide suas seções e começa o estudo apresentando destaques gerais sobre cada um desses blocos: envolvimento da família na empresa e governança.

O objetivo da seção sobre “envolvimento da família na empresa” é entender como a família atua na gestão, no conselho de administração e na propriedade. Além disso, o envolvimento é analisado com base na atuação do fundador da empresa e no ciclo geracional em que a família empresária se encontra.

Com base nisso:

  • Em 64,2% da amostra o fundador atua na empresa. 
  • O diretor-presidente é um membro da família controladora em 82,1% das empresas. 
  • A existência de um conselho de administração estatutário é mais frequente entre as empresas que estão na terceira geração e em que o fundador não está mais atuando. Na segunda geração há um percentual maior de conselhos consultivos, enquanto na terceira geração prevalecem os conselhos estatutários. 
  • A presença de um conselheiro independente ocorre com mais frequência entre as grandes empresas e entre aquelas em que o fundador não está mais atuando. 
  • Conflitos familiares são apontados como o principal motivo para a saída de sócios das empresas pesquisadas. Enquanto a “profissionalização” da gestão e a expansão do negócio são os principais motivos para a entrada de novos sócios.

O objetivo da seção sobre “governança” é entender dados referentes às regras sobre o relacionamento entre a família e a empresa, o patrimônio da família, as estruturas de governança familiar e a sucessão. No âmbito da governança corporativa, são observadas as práticas referentes a sócios, conselho de administração, órgãos de fiscalização e controle e código de conduta/ética.

Com base nisso: 

  • Entre os motivos que levaram as empresas a discutir as questões de governança, aprimorar o modelo de gestão foi o mais recorrente, tendo sido assinalado por 67,4% das empresas. 
  • Somente 10% das empresas afirmaram nunca ter discutido a adoção de práticas de governança.
  • 73,1% das famílias pesquisadas têm pelo menos uma estrutura de governança familiar. A mais comum é a reunião/assembleia familiar.
  • 48% das famílias elaboraram um documento que disciplina a relação entre a família e o negócio. A existência desse documento é menos frequente entre as empresas comandadas pela primeira geração ou em que o fundador ainda está atuando.
  • As famílias apresentam mais regras para tratar da entrada de familiares na empresa do que para disciplinar a sua saída. 
  • 68,1% têm mecanismos formais para garantir a separação entre o patrimônio da família e o da empresa.
  • A maioria (59,5%) conta ou contou com orientações de profissionais externos para a gestão do patrimônio da família. Escritórios de advocacia e empresas de consultoria são os orientadores mais frequentes.
  • Apenas 27,6% têm plano de sucessão para cargos-chave. O percentual é ainda menor (19,6%) quando considerado o plano para o presidente do conselho de administração.
  • O percentual de empresas com plano de sucessão não ultrapassa 40%, independentemente do recorte analisado. O grupo de empresas com faturamento anual superior a R$ 400 milhões é o que detém o maior percentual, 40%. Também se destacam em relação às demais as empresas em que o diretor-presidente é da terceira geração, 38,7%.
  • 59,5% das empresas têm acordo entre os seus sócios.

Distribuição geográfica das empresas familiares no Brasil

Amostra de empresas familiares no Brasil por região e estados.
Amostra de empresas familiares por região e estados. (Crédito: IBGC e PwC)

Analisando o gráfico apresentado pelo estudo “Governança em Empresas Familiares: Evidências Brasileiras”, divulgado no começo de 2020, pelo IBGC e pela PwC:

  • De 279 empresas familiares mapeadas, 159 estão na região Sudeste (57%); 
    • Na região Sudeste, 95 empresas familiares estão em São Paulo (34%);
    • Na região Sudeste, 45 empresas familiares estão no Rio de Janeiro (16,1%);
    • Na região Sudeste, 15 empresas familiares estão em Minas Gerais (5,4%);
  • De 279 empresas familiares mapeadas, 79 estão na região Sul (28,3%); 
    • Na região Sul, 38 empresas familiares estão no Rio Grande do Sul (13,6%);
    • Na região Sul, 23 empresas familiares estão no Paraná (8,2%);
    • Na região Sul, 18 empresas familiares estão em Santa Catarina (6,4%);
  • De 279 empresas familiares mapeadas, 29 estão na região Nordeste (10,4%); 
    • Na região Nordeste, 9 empresas familiares estão no Ceará (3,2%);
    • Na região Nordeste, 6 empresas familiares estão em Pernambuco (2,1%);
    • Na região Nordeste, 5 empresas familiares estão na Bahia (1,8%);
    • Na região Nordeste, 4 empresas familiares estão em Alagoas (1,4%);
    • Na região Nordeste, 3 empresas familiares estão no Rio Grande do Norte (1,1%);
    • Na região Nordeste, 1 empresa familiar está na Paraíba (0,4%);
    • Na região Nordeste, 1 empresa familiar está em Sergipe (0,4%);
  • De 279 empresas familiares mapeadas, 7 estão na região Centro-Oeste (2,5%); 
    • Na região Centro-Oeste, 3 empresas familiares estão em Goiás (1,1%);
    • Na região Centro-Oeste, 2 empresas familiares estão no Distrito Federal (0,7%);
    • Na região Centro-Oeste, 1 empresa familiar está no Mato-Grosso (0,4%);
    • Na região Centro-Oeste, 1 empresa familiar está no Mato-Grosso do Sul (0,4%);
  • De 279 empresas familiares mapeadas, 5 estão na região Norte (1,8%); 
    • Na região Norte, 3 empresas familiares estão no Amazonas (1,1%);
    • Na região Norte, 1 empresa familiar está no Acre (0,4%);
    • Na região Norte, 1 empresa familiar está no Tocantins (0,4%).

Setores das empresas familiares no Brasil

Amostra de empresas familiares no Brasil por setor.
Amostra de empresas familiares no Brasil por setor. (Crédito: IBGC e PwC)

Analisando o gráfico apresentado pelo estudo “Governança em Empresas Familiares: Evidências Brasileiras”, divulgado no começo de 2020, pelo IBGC e pela PwC:

  • De 279 empresas familiares mapeadas, 47 correspondem ao setor industrial (16,8%);
  • De 279 empresas familiares mapeadas, 47 correspondem ao setor de serviços (16,8%);
  • De 279 empresas familiares mapeadas, 32 correspondem ao setor de construção e engenharia (11,5%);
  • De 279 empresas familiares mapeadas, 27 correspondem ao setor do comércio varejista (9,8%);
  • De 279 empresas familiares mapeadas, 24 correspondem ao setor do agronegócio (8,6%);
  • De 279 empresas familiares mapeadas, 24 correspondem ao setor de bens de consumo (8,6%);
  • De 279 empresas familiares mapeadas, 11 correspondem ao setor de química e petroquímica (3,9%);
  • De 279 empresas familiares mapeadas, 10 correspondem ao setor do comércio atacadista e exterior (3,6%);
  • De 279 empresas familiares mapeadas, 10 correspondem ao setor de educação e ensino (3,6%);
  • De 279 empresas familiares mapeadas, 9 correspondem ao setor de metalurgia e mineração (3,2%);
  • De 279 empresas familiares mapeadas, 9 correspondem ao setor de tecnologia e telecomunicações (3,2%);
  • De 279 empresas familiares mapeadas, 7 correspondem ao setor da saúde (2,5%);
  • De 279 empresas familiares mapeadas, 7 correspondem ao setor de serviços financeiros (2,5%);
  • De 279 empresas familiares mapeadas, 15 correspondem à categoria “outros” (5,4%).

Faturamento das empresas familiares brasileiras

Amostra de empresas familiares no Brasil por faturamento anual.
Amostra de empresas familiares no Brasil por faturamento anual. (Crédito: IBGC e PwC)

Analisando o gráfico apresentado pelo estudo “Governança em Empresas Familiares: Evidências Brasileiras”, divulgado no começo de 2020, pelo IBGC e pela PwC:

  • De 279 empresas familiares mapeadas, 73 faturaram menos de R$ 20 milhões (26,2%);
  • De 279 empresas familiares mapeadas, 74 faturaram entre R$ 20 milhões e R$ 100 milhões (26,5%);
  • De 279 empresas familiares mapeadas, 72 faturaram entre R$ 100 milhões e R$ 400 milhões (25,8%);
  • De 279 empresas familiares mapeadas, 60 faturaram acima de R$ 400 milhões (21,5%).

Amostra de empresas familiares brasileiras por tempo de existência

Amostra de empresas familiares no Brasil por tempo de existência.
Amostra de empresas familiares no Brasil por tempo de existência. (Crédito: IBGC e PwC)

Analisando o gráfico apresentado pelo estudo “Governança em Empresas Familiares: Evidências Brasileiras”, divulgado no começo de 2020, pelo IBGC e pela PwC:

  • De 279 empresas familiares mapeadas, 116 possuem entre 25 e 50 anos de existência (41,5%);
  • De 279 empresas familiares mapeadas, 78 possuem menos de 25 anos de existência (28%);
  • De 279 empresas familiares mapeadas, 61 possuem entre 50 e 75 anos de existência (21,9%);
  • De 279 empresas familiares mapeadas, 17 possuem entre 75 e 100 anos de existência (6,1%);
  • De 279 empresas familiares mapeadas, 7 possuem mais de 100 anos de existência (2,5%);
  • Entre as 7 empresas centenárias: quatro têm como diretor-presidente um membro da família, sendo três deles da terceira geração e um da segunda geração;
  • Duas empresas não têm membros da família em cargos de gestão;
  • Seis têm conselho de administração, sendo que todas têm membros da terceira geração, três têm membros da segunda e duas têm membros da quarta;
  • Seis têm apenas uma família como acionista controladora;
  • Uma tem sócios de fora da família; 
  • Três têm plano de sucessão para cargos-chave. 

Cargo e ocupações dentro de empresas familiares brasileiras

Amostra de ocupação de familiares em empresas no Brasil.
Amostra de ocupação de familiares em empresas no Brasil. (Crédito: IBGC e PwC)

Analisando o gráfico apresentado pelo estudo “Governança em Empresas Familiares: Evidências Brasileiras”, divulgado no começo de 2020, pelo IBGC e pela PwC:

  • 24,3% dos entrevistados relataram ocupar cargos de Diretoria em suas empresas familiares; 
  • 21,4% dos entrevistados relataram ocupar cargos de Conselheiros Administrativos em suas empresas familiares; 
  • 16,1% dos entrevistados relataram ocupar o cargo de CEO em suas empresas familiares;
  • 14,6% dos entrevistados relataram ocupar cargos de Acionistas em suas empresas familiares; 
  • 12% dos entrevistados relataram ocupar cargos de Gestão em suas empresas familiares; 
  • 7,1% dos entrevistados relataram ocupar cargos de Consultoria Jurídica em suas empresas familiares; 
  • 4,1% dos entrevistados relataram ocupar cargos de Governança em suas empresas familiares.

Insights sobre os números das empresas familiares do país e qual o impacto delas para a sociedade brasileira

Ao longo deste material, foi destacado em negrito os números mais sobressalentes de cada ponto analisado. Como uma seção informativa, agora temos avenida aberta para os insights. A melhor efeito imagético, vamos reunir um compilado dos 15 principais destaques do estudo “Governança em Empresas Familiares: Evidências Brasileiras” e procurar os melindres que ele nos ensina:

  1. De 279 empresas familiares mapeadas, 159 estão na região Sudeste (57%);
  2. 79 estão na região Sul (28,3%);
  3. 29 estão na região Nordeste (10,4%);
  4. De 279 empresas familiares mapeadas, 47 correspondem ao setor industrial (16,8%);
  5. 47 correspondem ao setor de serviços (16,8%);
  6. 32 correspondem ao setor de construção e engenharia (11,5%);
  7. De 279 empresas familiares mapeadas, 73 faturaram menos de R$ 20 milhões (26,2%);
  8. 74 faturaram entre R$ 20 milhões e R$ 100 milhões (26,5%);
  9. 72 faturaram entre R$ 100 milhões e R$ 400 milhões (25,8%);
  10. De 279 empresas familiares mapeadas, 116 possuem entre 25 e 50 anos de existência (41,5%);
  11. 78 possuem menos de 25 anos de existência (28%);
  12. 61 possuem entre 50 e 75 anos de existência (21,9%);
  13. 24,3% dos entrevistados relataram ocupar cargos de Diretoria em suas empresas familiares; 
  14. 21,4% dos entrevistados relataram ocupar cargos de Conselheiros Administrativos em suas empresas familiares; 
  15. 16,1% dos entrevistados relataram ocupar o cargo de CEO em suas empresas familiares;

As empresas familiares estão majoritariamente concentradas no Sudeste, correlação ao fato de que o maior número delas também correspondem ao setor industrial e de serviços, predominante na região. 

A faixa de faturamento anual dessas empresas, em distribuição da totalidade da amostragem de pesquisa, varia entre menos de R$ 20 milhões até R$ 400 milhões, o que mostra uma total capilaridade de oferta disponível. Empresas familiares locais, até os grandes conglomerados possuem seu espaço arterial para prosperar na economia brasileira.

O fato que chama especialmente atenção é a discrepância na amostra de empresas familiares brasileiras por tempo de existência. Enquanto a maioria (28%) possui menos de 25 anos, ainda uma grande parcela (21,9%) registra longeva vida: entre 50 e 75 anos.

São dados que refletem a ascensão de novos modelos de negócio, ao mesmo passo que respaldam o quão um bom e sólido planejamento estratégico pode ser eficaz para adaptar um negócio por décadas disruptivas. 

O que reflete aos cargos: uma empresa familiar, com familiares ocupando cadeiras administrativas, seja na diretoria, como um conselheiro ou um C-Level. Resultado que abre a reflexão deste texto e o guia pelo qual o estudo questiona as práticas de governança familiares.

Na velocidade do mundo em que vivemos, os resultados mais expressivos estão entre as empresas que se encontram geridas pela terceira geração. Empresas com ar fresco e repertório.

Vivemos uma pandemia. Talvez o digital tenha sido democratizado de vez. Não estamos falando de um software de gestão de estoque. Estamos falando do WhatsApp como canal de aquisição para a padaria.

E fortes recursos digitais se traduzem em forte desempenho nos negócios.

O progresso da transformação digital impacta diretamente nas empresas familiares.
O progresso da transformação digital impacta diretamente nas empresas familiares. (Crédito: IBGC e PwC)

Analisando framework apresentado pelo estudo “Governança em Empresas Familiares: Evidências Brasileiras”, divulgado no começo de 2020, pelo IBGC e pela PwC:

  • 58% das empresas brasileiras com fortes recursos digitais esperam crescimento após a pandemia (em comparação com 48% das que não têm recursos digitais);
  • 85% das empresas brasileiras com fortes recursos digitais têm acesso a informações/dados confiáveis e oportunos que apoiam a tomada de decisão (em comparação com 62% das que não têm recursos digitais);
  • 64% das empresas brasileiras com fortes recursos digitais têm capacidade de mudar de rumo no curto prazo devido à liquidez (em comparação com 44% das que não têm recursos digitais);
  • 55% das empresas brasileiras com fortes recursos digitais têm uma estratégia de sustentabilidade desenvolvida e comunicada que fundamenta todas as decisões (em comparação com 32% das que não têm recursos digitais);
  • 33% das empresas brasileiras com fortes recursos digitais adotam um plano de sucessão robusto, documentado e comunicado em vigor (em comparação com 21% das que não têm recursos digitais).

Embora 85% das empresas brasileiras (80% das globais) afirmem que as iniciativas relacionadas com a digitalização, inovação e tecnologia são suas grandes prioridades, o progresso nessas áreas tem sido lento. 

Apenas 15% afirmam que sua jornada digital está completa e 72% acreditam que têm um longo caminho a percorrer – resultados abaixo das médias globais de 19% e 62%, respectivamente. 

A experiência de empresas familiares que atualizaram seus recursos digitais mostra a importância vital de ter um roteiro claro. 40% das empresas familiares de terceira ou quarta geração no mundo se descrevem como digitalmente fortes.

Empresas familiares no Brasil são fortes, mas enfrentam muitos desafios

Investir na elaboração de boas práticas administrativas é fundamental para que qualquer empresa consiga crescer de maneira estratégica e sustentável, ainda mais quando falamos das que são familiares. Isso porque elas, por vezes, extrapolam o corporativismo e entram, justamente, na esfera familiar, na esfera de sucessão e os melindres de uma vida.

Isso é refletido nos chamados “ciclos geracionais”. Em 71% dos casos há pelo menos um membro da primeira geração envolvido na empresa, seja na gestão, no conselho ou na propriedade. Esse percentual praticamente se mantém em relação à segunda geração. Todavia, na terceira geração ele cai para 28,7% e, na quarta, para 5,7%.

Amostra de gerações envolvidas em empresas familiares no Brasil.
Amostra de gerações envolvidas em empresas familiares no Brasil. (Crédito: IBGC e PwC)

Embora exista o vislumbre de maior eficiência com a entrada das novas gerações na jogada, a questão sucessória ainda é um problema crítico para as empresas familiares no Brasil. Talvez possa não ser para a rede de padarias, mas para o Grupo Votorantim de fato é uma questão. Sim, ambos são exemplos de empresas de família.

Quando o mundo corporativo ganha esse tempero que rompe mais de uma esfera da vida, todos os processos devem receber atenção redobrada. Longe de pintar jogos de poder, mas interesses que extrapolam o acordo moral entre empregador-empregado podem interferir no andamento de um planejamento estratégico que precisa recorrentemente manter-se firme.

Questão sucessória é uma questão de gestão àquelas empresas que desejam manter-se no páreo por bastante tempo. 

Se você está neste universo e deseja aprender com quem já passou por processos sucessórios na prática e com louvor, conheça a Imersão G4 Empresas Familiares para entender os três modelos de governança que permitiram às grandes companhias familiares passarem por sucessões com louvor, minimizando riscos e mantendo-se cada vez mais relevantes.

New call-to-action

Glossário do Empreendedor

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W Y X Z