G4 News

Conta em banco virou coisa de criança


C6-Yellow

Olá, tudo bem com você? Seja muito bem-vindo(a) à nova edição do G4 News, a newsletter informativa do G4 Educação. Se a Seleção Brasileira segue batendo seus adversários (apesar da vitória contra a Suíça ter sido um pouco mais sofrida), quem segue batendo recordes é o streamer Casimiro. 

No jogo de abertura do Brasil, sua transmissão “bateu o recorde da maior live da história do YouTube” com 3,48 milhões de espectadores simultâneos. No jogo desta segunda-feira (28/11), esse número aumentou para 4,2 milhões. E aí, será que vem novo recorde do Cazé para o jogo contra Camarões?

Na newsletter de hoje:

  • Bancos vêm ganhando clientes cada vez mais jovens, até mesmo crianças.
  • Black Friday no retrovisor e o desempenho de um dos maiores fenômenos globais do varejo

Guilherme Canineo

Tendências & Inovação

Bancos seguem ganhando novos(as) clientes

Criança segurando cartão de crédito
Tecnoblog / Adeniji Abdullahi A / Unsplash

Nesse caso, a palavra “nova(a)” não remete apenas a clientes adicionais, mas também à idade desses clientes. Trata-se de um nicho que vem se tornando cada vez mais popular no Brasil: pais abrindo contas para seus filhos, desde crianças com menos de 10 anos até adolescentes

Só para ter uma ideia, o Brasil soma hoje em torno de 10 milhões de contas abertas para menores de idade, segundo reportagem publicada pela Época Negócios. Se ampliarmos o alcance, são 23 milhões de contas para pessoas entre 15 a 24 anos, de acordo com o Banco Central, número que representa um aumento de 50% em relação aos últimos 10 anos. 

Se por um lado esse movimento possibilita que instituições financeiras estabeleçam, desde cedo, um relacionamento com membros de uma nova geração, por outro representa uma adaptação à nova realidade mais e mais digital, tanto para os bancos como para os pais. Afinal, transações são cada vez menos efetuadas por meio de dinheiro em espécie.

No passado, as crianças simplesmente recebiam dinheiro para fazer transações e comprar o que precisavam. Em um mundo digital, elas precisam de uma carteira ou conta bancária que permita transações no mundo digital e físico”, comentou Brett King, ex-consultor de Política de Startups Financeiras (fintechs) para o ex-presidente estadunidense Barack Obama.

Além das transações. No caso do C6 Bank, por exemplo, a instituição permite que seus clientes mais jovens estabeleçam uma meta financeira. Para alcançá-la, o banco conta com investimentos em Certificados de Depósito Bancário (CDB), “com rentabilidade diária e opções de resgate a qualquer momento”, a partir de R$ 10. 

Outros pais olham para o movimento como uma forma de dar mais autonomia a seus filhos, desde arcar com responsabilidades básicas como pagar a conta de celular, estimular a criação de poupanças e até mesmo se aventurar no mundo dos investimentos. 

Para atrair esses jovens clientes, bancos e fintechs optaram pela personalização. Na Yellow, do C6 Bank, “a criança pode escolher ter seu próprio nome ou um apelido impresso no cartão”. Já o Itaú focou na comunidade dos gamers entre 14 e 17 anos e lançou a Start em agosto de 2022, com 100.000 pedidos de abertura de conta

  • Nubank, Bradesco e Banco Inter também já embarcaram nesse movimento.

Por fim, esse pode ser um caminho para garantir a fidelidade desses jovens clientes desde muito cedo (desde que tenham uma boa experiência, claro). Como diria Tanya Van Court, fundadora e CEO da fintech Goalsetter, “se adquirirmos um cliente aos 5 anos, temos a oportunidade de mantê-lo e estar presente em cada um de seus momentos marcantes”.   

Varejo

Comprinhas, comprinhas e mais comprinhas

Black Friday
New York Post / BELGA MAG / AFP / Getty Images

Apesar de ter nascido nos Estados Unidos há muitos anos, a Black Friday é atualmente um fenômeno mundial que movimenta, ano após ano, bilhões de dólares durante o mês de novembro, culminando, na maioria das vezes, na última sexta-feira do mês. E 2022 não foi diferente.

Mudança de comportamento. Mesmo com um aumento de 2,9% no número de pessoas que optaram por voltar presencialmente às lojas em relação ao ano passado, o foco dos consumidores durante a Black Friday está migrando mais e mais para o digital. 

Foram US$ 9,12 bilhões gastos no e-commerce e em plataformas, um incremento de 2,3% em comparação a 2021, com destaque especial para o setor de eletrônicos, brinquedos e equipamentos para exercícios. 

E fora dos Estados Unidos, como estão as coisas? No caso da gigante Shopify, que oferece uma plataforma de e-commerce para mais de 1,5 milhão de lojas online, a última sexta-feira (25/11) foi sua melhor Black Friday da história, com vendas globais que ultrapassaram os US$ 3,3 bilhões

  • Curiosidade: em seu momento de pico, os comerciantes que utilizam os serviços da Shopify registraram vendas de US$ 3,5 milhões por minuto, coletivamente. 

Aqui no Brasil, porém, “o faturamento bruto do e-commerce no dia da Black Friday 2022 caiu 23% em relação a 2021”, segundo a NielsenIQ|Ebit – mesmo com a Amazon registrando sua maior Black Friday no país, com 3,5 milhões de itens vendidos entre os dias 24/11 e 25/11. As categorias que pior desempenharam:

  • Eletrônicos, alimentos e bebidas e casa e decoração. 

Ao que tudo indica, essa queda se deve muito ao cenário macroeconômico desafiador e de muita incerteza, marcado por um “ambiente de juros altos e inflação ainda elevada” que, por sua vez, diminui o poder de compra das pessoas.

Mas calma que ainda teremos mais vendas. Para a Cyber Monday, que ocorreu ontem (28/11), a estimativa nos Estados Unidos era de gastos de US$ 11,2 bilhões no país. No Brasil, há a expectativa de que os números cheguem perto dos R$ 827,4 milhões movimentados em 2021, uma alta de 17,7% em relação a 2020. E depois disso teremos o Natal, que “deve injetar R$ 66,6 bilhões na economia”

Curiosidades

Cybersecurity
Inc. Magazine / Getty Images

Número do dia: US$ 10,5 trilhões. Estima-se que este seja o montante global atingido por cibercrimes até 2022. Na trajetória atual, as maiores prejudicadas serão as pequenas empresas: para ter uma ideia, nos Estados Unidos, 60% das empresas desse porte encerram suas operações em até 6 meses após sofrerem um ataque cibernético, segundo a National Cybersecurity Alliance. Tenso, hein 😰

––––––––

Frase do dia: “Pessoas inovadoras não precisam ser instruídas sobre como fazê-lo, elas precisam ser autorizadas a fazê-lo.”

Essa foi uma das declarações dadas por Eric Schmidt, CEO do Google entre 2001 e 2011, em seu livro de 2017 “Como o Google Funciona”, co-escrito com Jonathan Rosenberg. A declaração corrobora um dos principais insights do livro, a ideia de que você não pode impor a inovação de forma artificial, mas sim criar um clima que a estimule

No caso do Google, essa ideia é exemplificada por seu modelo 70-20-10, onde “70% do orçamento da empresa vai para projetos básicos, 20% para empreendimentos em desenvolvimento e os 10% finais para novos experimentos” – desse modelo nasceram vários conceitos, dentre eles o Gmail.

––––––––

Recomendação: como escalar o seu negócio e alcançar o sucesso? Se você, assim como muitos empreendedores, já se fez essa pergunta, então escute esse novo episódio do podcast “Papo de Gestão”, no qual Tallis Gomes conversa com Patrick Nigri, fundador e CEO da fintech Iugu, sobre os desafios, mentalidade e indicadores que o ajudaram a conquistar o sucesso e o levaram a conseguir um aporte de R$ 120 milhões em 2020

Must-Reads

🔎 77%. Esse é o percentual de recrutadores que têm o LinkedIn como principal ferramenta para encontrar bons candidatos, com mais de 90% das empresas com maior receita dos EUA (Fortune 500) usando-o ativamente tanto para contratar bons profissionais quanto para construir uma boa reputação de marca. Com mais de 51 milhões de usuários aqui no Brasil, é bom conferir 10 dicas de como recrutar pelo LinkedIn em 2023 (G4 Educação)

🪙 US$ 1 bilhão. Esse foi o valor inicial do fundo para ajudar empresas do setor de criptomoedas que se encontram com dificuldades financeiras como consequência do colapso da FTX nas últimas semanas. Liderado pela Binance, maior corretora de criptoativos do mundo, o fundo já conta com o apoio de 7 outras empresas e fundos de investimento e cerca de 150 outras companhias inscritas para possíveis aportes. (Startups)

🏦 R$ 1,03 bilhão. Esse foi o montante pago pelo Banco Safra para adquirir o Banco Alfa, que conta com R$ 24,5 bilhões em ativos. Com a compra, o Safra irá se fortalecer “na área de corporate, private banking e wealth management”. (NeoFeed) 

👔 Como transformar incertezas em oportunidades e resultados? O líder é o encarregado de identificar os problemas que abrangem a sua área e formular uma resposta/estratégia para resolvê-los. O CEO, por sua vez, é o estrategista final. Sendo assim, quais serão as suas prioridades dentre as 6 que vão se destacar na agenda global dos CEOs? (McKinsey & Company). 

Fun Fact

Biscoito Globo
Veja Rio / Alexandre Rebelo / Reprodução

A nossa Seleção Brasileira é composta de muitos craques da bola, mas o fun fact desta edição será em homenagem a um dos ícones do nosso Brasil, considerado um “must have” nas praias cariocas: o Biscoito Globo. Você sabia que esse patrimônio cultural do Rio de Janeiro na verdade nasceu em São Paulo?

Pois é, o apreciadíssimo quitute de polvilho foi inventado pelos irmãos Milton, Jaime e João Ponce em uma padaria paulista no ano de 1953. Observando a aceitação e o sucesso local, os três decidiram ver se o seu produto agradaria o paladar dos habitantes do Rio de Janeiro. 

Em 1955, durante o 36º Congresso Eucarístico Internacional, o biscoito de polvilho estreou em territórios desconhecidos. Seu desempenho foi um sucesso. Todos os 2,5 mil pacotes foram vendidos em apenas 2 dias e os três irmãos tiveram que voltar a São Paulo para buscar mais 5 mil pacotes. 

Todo esse sucesso motivou Milton, Jaime e João a transferirem a produção do salgadinho para o Rio de Janeiro. Inicialmente chamados de “biscoitos paulistas”, “aos poucos, contudo, começaram a ser chamados pelo nome da padaria de cujos fornos eles saíam, no bairro de Botafogo. Daí, o Biscoito Globo”.

Um de seus principais canais de venda: os vendedores ambulantes que circulam nas praias do Rio de Janeiro (muitos também conhecidos por vender e utilizar roupas da marca Matte Leão). Esses vendedores também são considerados patrimônios culturais do estado. 

Hoje, cerca de 150.000 Biscoitos Globo são produzidos diariamente, com sua clássica receita à base de polvilho azedo, gordura de coco, leite, ovos, água e sal (ou açúcar, caso opte pela versão doce). Como curiosidade, o icônico quitute “nunca fez propaganda, recusou ofertas de abrir franquias e jamais mudou de embalagem”

E essa embalagem, trazendo os desenhos do Pão de Açúcar e das Torres de Belém, Eiffel e Pisa tornou-se uma “peça icônica do design brasileiro”, segundo o desenhista industrial Marcelo Oliveira, professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, virando inspiração para produtos que vão desde cangas e quadros até chinelos Havaianas. 

Glossário do Empreendedor

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W Y X Z